Consolidar a oferta omnichannel em Portugal

Não é novidade para ninguém que o retalho utiliza expressões que são praticamente exclusivas do setor, o que muitas vezes coloca os atores da indústria a falar uma linguagem muito própria e quase exclusiva.

Não é novidade para ninguém que o retalho utiliza expressões que são praticamente exclusivas do setor, o que muitas vezes coloca os atores da indústria a falar uma linguagem muito própria e quase exclusiva. É o on-trade/off-trade e o horeca; o churn e os detractors e promoters; o click & collect, e o home delivery; o omnichannel e o multichannel… entre outros tantos… Falar de omnichannel, porém, é já tão comum que ninguém questiona a abrangência do tema, mesmo quando há diferentes perspetivas sobre o assunto e existam interpretações distintas sobre o que significa efetivamente: ter uma abordagem omnichannel visa a expansão do conceito de retalho, usando múltiplas vias de acesso dos clientes aos produtos, proporcionando-lhes assim o uso de diferentes canais, de forma articulada, numa única transação.

O que ninguém contesta, porém, é que os consumidores compram e vão cada vez mais comprar através de diferentes canais. O estudo Future Consumer Index da EY mostra que na Europa (junho 2022) a preferência de canais de compra em Eletrónica de Consumo é de 50% para o on-line, 24% para o off-line e 26% numa combinação de canais. Já para frescos, estas percentagens situaram-se nos 15%, 74% e 12% respetivamente.

O objetivo de se ter uma abordagem omnichannel é claro: potenciar o alcance da oferta de valor, usando múltiplas vias de acesso dos clientes aos produtos, proporcionando-lhes assim o uso de diferentes canais, de forma coerente e harmoniosa.

A omnicanalidade envolve a gestão sinérgica das várias opções de canais disponíveis e de pontos de contacto com o cliente, de forma a otimizar: quer a experiência do cliente ao longo dos canais, quer a performance dos canais do ponto de vista da empresa. Complementarmente, assume-se que neste tipo de abordagem, os canais se podem usar de forma intercambiável e harmoniosamente, proporcionando ao cliente uma customer journey suave, sem sobressaltos e sem que haja impacto da possível transição entre canais ao longo da jornada. Portanto, conhecer as dificuldades inerentes a esta abordagem é fundamental para que a empresa compreenda até onde pode ir, e a que ritmos pode assumir essa omnicanalidade, respondendo às idiossincrasias do seu negócio e entendendo qual o alcance da sua abordagem omnichannel.

E foi a pensar numa forma de ajudar as empresas a melhor compreenderem as diferentes vertentes da sua omnicanalidade, e para avaliar onde é que a sua prestação pode melhorar, que a EY e a Católica Porto Business School (direção técnica da Professora Susana Silva), com o apoio da APED, se aliaram para desenvolver o Omnichannel Maturity Index (ou Índice de Maturidade Omnicanal). O índice é dirigido a todos os atores desta indústria, para que possam conhecer o estado de desenvolvimento do Omnichannel português e serem mais competitivos através de insights únicos e referências de benchmark.

Todas as empresas de retalho, e outros atores como os de venda direct-to-consumer, como elementos cruciais neste ecossistema, são, portanto, parte interessada nos resultados da produção deste indicador. Para poder ter acesso à forma como as experiências omnicanal estão a transformar o retalho, pode participar, respondendo aqui ao Inquérito Omnichannel Maturity Index . Os resultados agregados, recolhidos todos os semestres, serão trabalhados pela CPBS e EY, transformados em insights valiosos para as empresas de forma a fomentar a sua capacidade competitiva.

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, Newsletters, Estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Se descarbonização é a resposta, qual é a pergunta?

As alterações climáticas já não passam despercebidas, nem aos mais céticos! Assistimos a um acentuar das condições climatéricas extremas, que propiciam nesta época de Verão a ocorrência de incêndios, corroborando as publicações de referência, que demonstram a relação deste fenómeno com a tendência de aumento dos níveis de risco de incêndio e de “mega incêndios”, assim como épocas de incêndio mais longas.

A consolidação empresarial para responder à baixa produtividade

As micro e pequenas empresas têm um papel fundamental nas economias, mas é com a aposta no aumento da importância de médias, grandes e muito grandes empresas que o país conseguirá resolver o problema da baixa produtividade na economia.

O novo Aviso n.º 1/2022 do Banco de Portugal

No passado dia 6 de junho de 2022, foi publicado pelo Banco de Portugal o Aviso n.º 1/2022, destinado a condensar num único diploma as principais regras substantivas aplicáveis em matéria de prevenção do branqueamento de capitais e do financiamento do terrorismo (PBC/FT) e a compatibilizar o regime com o disposto no Aviso n.º 3/2020, procurando replicar, para a função de controlo do cumprimento do quadro normativo, na medida do possível, a abordagem seguida no regime aplicável à função de compliance.
Comentários