Construção metálica procura oportunidades de negócio no exterior

Alemanha, Polónia e Turquia são os mercados com mais potencial de negócio para este setor.

Raheb Homavandi/Reuters

As empresas nacionais de construção metálica estão à procura de novas oportunidades de negócio em mercados externos, como a Alemanha, Polónia ou Turquia.

Esses contatos foram estabelecidos no II Fórum Portugal Steel, organizado pela Associação Portuguesa da Construção Metálica e Mista – CMM, que decorreu nos últimos dias.

Para o professor Luís Simões da Silva, presidente da CMM – Associação Portuguesa de Construção Metálica e Mista, “as empresas deste setor têm como principal desafio para os próximos anos, manter o crescimento da presença em mercados internacionais, quer pela maturação de presenças já existente, quer na identificação de novos mercados, para a construção metálica nacional”.

Neste âmbito, Luís Simões da Silva considera que “é importante diversificar mercados e apostar em nichos altamente exigentes que permitirão manter e consolidar um setor da construção metálica que aposta na inovação e na competitividade das empresas nacionais, competências decisivas para a afirmação da construção metálica portuguesa a nível mundial”.

A representante da Câmara de Comércio e Indústria da Alemanha em Portugal, Rosário Carvalho, explicou que nos próximos anos, a Alemanha pode ser uma opção para as empresas nacionais que se queiram instalar nesse país e, revelou que em 2015, o setor metálico, que inclui produtores, comerciantes, galvanização, engenharia, arquitetos e construção metálica, originou um volume de negócios de 11 mil milhões de euros.

Rosário Carvalho aproveitou a oportunidade para alertar os empresários para a importância de referências e certificações como forma de facilitar a entrada das empresas portuguesas no mercado alemão.

Rui Paias Couto, Presidente de Câmara de Comércio e Indústria Portugal Turquia, recordou que a Turquia tem o 17º maior PIB mundial e é o 10º maior país em número de habitantes, registando um crescimento médio de 3% ao ano e destacou a necessidade de um grande investimento em construção, nos próximos anos, para responder ao desenvolvimento económico crescente do país.

Para o representante da CCIPT, as empresas nacionais do setor da construção metálica devem estar atentas a este mercado, que vai necessitar a curto prazo de investimentos em hospitais, barragens, redes viárias e centros comerciais.

E recordou ainda que as exportações de bens e serviços de Portugal para a Turquia têm vindo a aumentar, tendo registado um crescimento médio anual, no período de 2010- 2014, de 12,4%.

Por seu lado, Marta Ribeiro, representante nacional da Câmara de Comércio e Indústria Portugal Polónia, partilhou com os empresários as perspetivas de crescimento económico nos próximos anos no que respeita ao mercado polaco.

Um mercado, que segundo esta responsável tem um défice de infraestruturas, ao nível rodoviário, ferroviário, parques eólicos ou mesmo construção residencial e que tem de responder ao crescimento económico registado com investimento em obras públicas.

Marta Ribeiro apresentou ainda as vantagens e as barreiras para a entrada de empresas nacionais, e no que respeita às primeiras destacou a estabilidade económica e política, os incentivos fiscais e a solidez e liquidez do sistema bancário.

Em relação às barreiras, destacou a legislação laboral pouco flexível e a falta de transparência na atuação e processo de decisão das instituições publicas.

Criado pela CMM – Associação Portuguesa da Construção Metálica e Mista em parceria com empresas de relevo no setor da construção metálica nacional, o Portugal Steel é um projeto que pretende fazer a promoção e divulgação do setor da construção metálica nacional, através do reconhecimento dos benefícios da construção metálica e das vantagens decorrentes de uma aposta estratégica neste setor, assim como potencializar a internacionalização da construção metálica nacional.

Recomendadas

Black Friday faz volume de pagamentos com Ifthenpay aumentar 18% em novembro

A Ifthenpay, empresa portuguesa especializada e líder de mercado em pagamentos digitais para empresas, anunciou que registou um crescimento de mais 18% ao longo do mês de novembro na movimentação financeira através dos seus pagamentos digitais (+95,5 milhões de euros), e por comparação com período homólogo do ano anterior.

BPI distribui presentes de Natal a crianças no país

A edição de 2022 deverá mobilizar milhares de pessoas – entre trabalhadores sociais, voluntários, colaboradores e clientes do banco – para realizar os desejos de crianças apoiadas por instituições sociais que lutam contra a pobreza infantil em todo o país.

Exigir participação de mulheres em conferências é o novo grito pela igualdade

O BNP Paribas Portugal assumiu o compromisso de garantir 40% de mulheres no Comité Executivo do Banco e no G100 até 2025 e de não participar em conferências em cujos painéis não estejam mulheres. Acordo com movimento francês Jamais Sans Elles foi oficializado no dia 10 de novembro.
Comentários