Consultora portuguesa Stravillia abre filial em Moçambique

Para Francisco Neves, sócio fundador da Stravillia, “esta aposta na internacionalização surgiu de forma natural, uma vez que a Stravillia tem já no país vários clientes a quem presta serviços”.

A Stravillia, empresa de consultoria em sustentabilidade, informou, esta terça-feira, que vai abrir a sua primeira filial fora de Portugal e o sítio escolhido foi Moçambique.

“O objetivo é apoiar as empresas moçambicanas na sua jornada para a sustentabilidade, ajudando-as a perceber quais são as temáticas ESG (Environment-Social-Governance) mais relevantes para a organização. Isto para que as empresas possam integrar essas temáticas nas suas estratégias de crescimento de forma a não comprometer o futuro das próximas gerações”, diz a empresa em comunicado.

Para Francisco Neves, sócio fundador da Stravillia, “esta aposta na internacionalização surgiu de forma natural, uma vez que a Stravillia tem já no país vários clientes a quem presta serviços”. Por outro lado, “sentimos que existe vontade e necessidade de trabalhar o tema da sustentabilidade”, explicou.

Segundo a Stravillia, os serviços prestados em Moçambique vão ser idênticos ao do mercado português, “assentando em áreas como: Agenda de Sustentabilidade, Roteiro de Sustentabilidade, Serviços de Carbono, Relatórios de Sustentabilidade e Índices e Rankings de Sustentabilidade”.

“Atuando de forma transversal, propõe-se apoiar organizações dos mais variados sectores, nomeadamente em áreas cruciais para o país como o Petróleo e Gás, o Carvão, Agricultura, Aquacultura e Pescas. Outro alvo prioritário, são, também, as instituições financeiras”, diz a empresa de consultoria.

Francisco Neves diz ainda que, “em Moçambique, a Stravillia vai continuar a dar vida ao seu propósito, inspirando as organizações à ação, por forma a devolver o futuro às pessoas e ao planeta”.

Recomendadas

Portugal “acompanha” declaração condenatória da UE sobre eleições na Guiné Equatorial

“Com a proclamação dos resultados definitivos das eleições presidenciais, legislativas e municipais pelo Tribunal Constitucional da República da Guiné Equatorial, conclui-se o processo eleitoral. A este respeito, Portugal acompanha as declarações emitidas pelas organizações que integra – CPLP e UE”, fez saber o Ministério dos Negócios Estrangeiros numa nota hoje divulgada no Portal Diplomático.

Presidente da República de São Tomé e Príncipe pede investigação e responsabilização de culpados de mortes após ataque a quartel

Após o ataque de sexta-feira da semana passada ao quartel militar, numa ação classificada como “tentativa de golpe de Estado” pelas autoridades são-tomenses, o Presidente esclareceu que as “investigações prosseguem no sentido do apuramento geral da verdade”.

Sindicato dos Jornalistas da Guiné-Bissau afirma que novas licenças são “forma civilizada” de acabar com imprensa

O Governo guineense publicou, com data de 18 de outubro, um despacho conjunto dos ministros das Finanças, Ilídio Vieira Té, e da Comunicação Social, Fernando Mendonça, no qual fixa novos valores para aquisição de alvarás para atividades de radiodifusão, televisão, jornais e filmagens no país.
Comentários