Consumidores preocupados com estado dos oceanos e prontos para alterar hábitos

Os consumidores portugueses estão preocupados com o estado atual dos oceanos, especialmente com a poluição e a sobrepesca, e dizem-se prontos para alterar hábitos alimentares para proteger o ambiente, indica um estudo divulgado hoje.

O estudo foi organizado pelo “Marine Stewardship Council” (MSC), organização não-governamental que criou um selo ecológico que identifica os produtos do mar provenientes de pesca sustentável, e envolveu mais de 25.000 consumidores de 23 países, um deles Portugal, explica o MSC em comunicado.

Em termos globais 44% das pessoas que disseram ter mudado a alimentação nos últimos dois anos explicaram que o fizeram por diferentes razões ambientais, entre elas, comer alimentos de fontes mais sustentáveis (23%), reduzir o impacto das alterações climáticas (20%) e proteger os oceanos (12%).

Em Portugal, 97% dos consumidores estão preocupados com os oceanos e divididos no que toca ao futuro ser positivo ou negativo, mas sentem-se cada vez mais capacitados (73%) para fazer mudanças através das suas escolhas de produtos do mar.

Além de manifestarem preocupação em relação à poluição dos mares e à sobrepesca, os consumidores defenderam (82%) que os princípios de sustentabilidade adotados pelas marcas de grande consumo devem ser certificados por organizações independentes.

Os dados foram divulgados numa iniciativa para analisar o panorama do pescado sustentável certificado em Portugal, a propósito do início da II Semana Mar para Sempre (de segunda-feira a domingo da próxima semana).

A Semana Mar Para Sempre destina-se a sensibilizar os consumidores, a indústria da pesca e entidades públicas para a importância da adoção da pesca sustentável.

Tem o apoio de quase uma dezena de entidades, entre elas a Associação Nacional dos Industriais de Conservas de Peixe (ANICP), o Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), ou o Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR).

O MSC anuncia, no comunicado, que vai desenvolver uma campanha de sensibilização para dar visibilidade ao “selo azul”, que é colocado em embalagens de peixe e marisco selvagens, que atesta que os produtos são provenientes da pesca sustentável, para que este seja mais reconhecido pelos consumidores.

Além de Portugal, o terceiro país do mundo a consumir mais pescado ‘per capita’ por ano, o estudo realizou-se em países como Austrália, Canadá, China, Dinamarca, Finlândia, França, Itália, Espanha e Estados Unidos.

Em outubro passado o MSC lançou uma nova norma global para a certificação sustentável da pesca de captura selvagem, quando destacou as crescentes pressões sobre a pesca e ecossistemas marinhos, devido às alterações climáticas, sobrepesca e perda de biodiversidade.

A norma inclui maior proteção de espécies ameaçadas e protegidas e uma nova política para aumentar a confiança de que a remoção das barbatanas de tubarão não está a ter lugar nas pescarias certificadas.

E estabelece também requisitos mais rigorosos para um controlo e vigilância eficazes das operações de pesca.

Atualmente, mais de 530 pescarias, representando 15% da apanha global, são certificadas com as normas do MSC, um valor que a organização quer aumentar até 2030.

Recomendadas

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.

Pelo menos 238 mil pessoas morreram devido à poluição do ar em 2020, revela relatório

A poluição do ar provocou a morte de, pelo menos, 238 mil pessoas na União Europeia (UE), em 2020, mais do que no ano anterior, segundo um relatório da Agência Europeia do Ambiente (EEA, na sigla em inglês), hoje divulgado.

Negociadores chegam a acordo sobre fundo climático na COP27

A revelação foi feita pelo ministro do Ambiente das Maldivas, este sábado, 19 de novembro Sharm El-Sheikh, Egito, no Egito. “Há um acordo sobre perdas e danos”, afirmou Aminath Shauna à Associated Press.
Comentários