Consumo de cimento sobe 6% e licenças para fogos novos 12,5% até outubro

Até ao final de outubro, foram licenciadas pelas câmaras municipais 15.280 obras em edifícios residenciais, o que corresponde a um aumento de 8,8% face às 14.046 obras licenciadas no período homólogo.

O consumo de cimento no mercado nacional aumentou 5,9% até final de outubro, em termos homólogos, enquanto as licenças para fogos novos subiram 12,5%, divulgou hoje a AICCOPN.

De acordo com a “Síntese Estatística da Habitação” da Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN), nos primeiros 10 meses do ano registou-se um crescimento de 5,9% do consumo de cimento no mercado nacional, em termos homólogos, para 3,19 milhões de toneladas.

Até ao final de outubro, foram licenciadas pelas câmaras municipais 15.280 obras em edifícios residenciais, o que corresponde a um aumento de 8,8% face às 14.046 obras licenciadas no período homólogo.

Já o número de fogos licenciados em construções novas registou um crescimento homólogo de 12,5% neste período, para 23.348 alojamentos.

Relativamente ao novo crédito para aquisição de habitação concedido pelas instituições financeiras, a AICCOPN lembra um aumento acumulado de 36,9% até outubro, face ao mesmo período de 2020, para 12.420 milhões de euros.

Em outubro, o valor mediano da habitação para efeitos concessão de crédito bancário registou uma valorização de 10,6% em termos homólogos, em resultado de acréscimos de 11,8% nos apartamentos e de 6,7% nas moradias.

Analisando a evolução na região Norte, verifica-se que o número de fogos licenciados em construções novas nos 12 meses terminados em outubro de 2021 foi de 12.432, o que traduz um aumento de 13,2% face aos 10.979 alojamentos licenciados nos 12 meses anteriores.

Destes, 15% eram de tipologia T0 ou T1, 24% de tipologia T2, 51% de tipologia T3 e 9% de tipologia T4 ou superior.

Quanto ao valor de avaliação bancária na habitação nesta região, registou em outubro uma variação homóloga de 9,2%.

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.
Comentários