Consumo de eletricidade cresce 4% em novembro sobretudo devido ao setor dos serviços

O maior aumento homólogo do consumo de eletricidade no mês de novembro verificou-se no setor dos serviços, seguido do setor doméstico, transportes e indústria.

O consumo de eletricidade em Portugal aumentou 4% em novembro deste ano, face a igual mês do ano anterior, devido sobretudo à subida registada no setor dos serviços, anunciou hoje a Agência para a Energia (ADENE).

De acordo com os dados da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) tratados pela ADENE, o maior aumento homólogo do consumo de eletricidade no mês de novembro verificou-se no setor dos serviços (7,1%), seguido do setor doméstico (4%), transportes (3,5%) e indústria (1,7%).

“O regresso ao trabalho presencial explica o aumento do consumo no setor dos serviços”, face a idêntico mês do ano passado, e as “temperaturas baixas” verificadas em novembro provocaram “um aumento no consumo de eletricidade para aquecimento no setor doméstico”, justifica a ADENE.

No entanto, em relação ao gás natural, observou-se uma diminuição de 1,7% no consumo global, com uma redução de 3,5% na indústria e aumentos de 2,9% e 7,4% nos setores doméstico e de serviços, respetivamente.

Já ao nível dos transportes registou-se um aumento de 2,1% no consumo de gasóleo rodoviário e 4,2% no consumo de gasolina, adianta.

No caso dos transportes marítimos, a ADENE refere que o aumento homólogo no mês de novembro deste ano foi de 41,9%, enquanto o consumo de ‘jet fuel’ (combustível na aviação) apresentou uma subida de 169,8%.

Recomendadas

Woodside admite possibilidade de gasoduto do Greater Sunrise para Timor-Leste

A petrolífera australiana Woodside admitiu hoje que está a reconsiderar a possibilidade de um gasoduto dos campos do Greater Sunrise para a costa sul de Timor-Leste, no que representa uma viragem na posição da empresa.

Grupo estatal chinês duplica participação em bloco petrolífero no Brasil

O grupo estatal chinês China National Offshore Oil Company (CNOOC) disse hoje ter pagado 10,3 mil milhões de reais (1,9 mil milhões de euros) para duplicar a participação num campo petrolífero no sudeste do Brasil.
Comentários