Consumo de eletricidade sobe 1,7% e produção solar bate recorde em agosto

Em agosto, a produção eólica “ficou abaixo dos valores médios”, em resultado de um índice de produtibilidade de 0,84 (média histórica igual a 1), enquanto a produção fotovoltaica “beneficiou de um regime mais favorável” e atingiu um índice de produtibilidade de 1,10 (média histórica igual a 1).

O consumo de energia elétrica aumentou 3,2% nos primeiros oito meses do ano face ao mesmo período de 2021, tendo subido 1,7% em agosto, mês em que a produção solar bateu recordes, avançou esta sexta-feira, a REN.

De acordo com os dados da REN – Redes Energéticas Nacionais, “o consumo de energia elétrica cresceu 1,7% em agosto face ao período homólogo, ou 1,4% com correção dos efeitos de temperatura e do número de dias úteis”.

Já no período de janeiro a agosto, o consumo cresceu 3,2%, ou 3,0% com correção da temperatura e dias úteis.

No mês de agosto, a produção eólica “ficou abaixo dos valores médios”, em resultado de um índice de produtibilidade de 0,84 (média histórica igual a 1), enquanto a produção fotovoltaica “beneficiou de um regime mais favorável” e atingiu um índice de produtibilidade de 1,10 (média histórica igual a 1).

“Este aumento de produtibilidade, conjugado com as novas instalações que vão sendo ligadas à rede, permitiu atingir uma nova ponta máxima de cerca de 1260 MW [megawatts]”, destaca a REN.

Tal como tem vindo a acontecer nos últimos meses, o regime hidroelétrico “continua seco”, com um índice de produtibilidade de 0,48 (média histórica igual a 1).

Em agosto, a produção renovável abasteceu 36% do consumo, a produção não renovável 39%, enquanto os restantes 25% corresponderam a energia importada.

Considerando o acumulado de janeiro a agosto, o índice de produtibilidade hidroelétrica registou 0,34 (média histórica igual a 1), o de produtibilidade eólica 0,93 (média histórica igual a 1) e o de produtibilidade solar 1,10 (média histórica igual a 1).

Neste período, a produção renovável abasteceu 44% do consumo, repartida pela eólica com 23%, hidroelétrica com 9%, biomassa com 7% e fotovoltaica com 5%. A produção a gás natural abasteceu 33% do consumo enquanto os restantes 23% corresponderam a energia importada.

Quanto ao consumo de gás natural, aumentou 8% em agosto, em termos homólogos.

Segundo a REN, “tal como se tem verificado ao longo do ano, verificaram-se comportamentos divergentes entre o segmento de produção de energia elétrica, que cresceu 48%, e do segmento convencional, que inclui os restantes clientes e que contraiu 15,7%”

Já entre janeiro e agosto, o consumo de gás natural registou uma variação homóloga “ligeiramente positiva”, de 0,7%, em resultado de uma quebra de 20% no segmento convencional e de um crescimento de 47% no segmento de produção de energia elétrica.

Recomendadas

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.
Comentários