Consumo de ecstasy aumenta, mas cocaína continua a liderar em Portugal

Águas residuais mostram que drogas se consomem e a que dias da semana.

O grupo Score e o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência realizaram análises a vários esgotos na Europa e concluíram que, em Portugal, a droga mais consumida é a cocaína mas aquela cujo consumo está a crescer é o ecstasy, avança o “Jornal de Notícias”.

Os portugueses consomem praticamente dez vezes mais cocaína do que ecstasy, mas a investigação, realizada em 18 países, mostrou que houve um aumento nas cidades de Lisboa e do Porto no consumo desta última.

“Em Portugal, a cidade de Almada junta-se à capital lisboeta e à Invicta. Num universo luso superior a 715 mil residentes, é a urina que tudo revela”, escreve o JN, esta quarta-feira.

De acordo com o diário, o estudo de 2016 revelou que a capital portuguesa está em 17º lugar, com um consumo de 258 miligramas por cada 1.000 pessoas por dia. Em relação ao Porto, encontra-se na 29ª posição deste ‘ranking’, com um consumo diário de 90,8 miligramas por 1.000 indivíduos.

Segundo o Observatório Europeu da Droga e da Toxicodependência, o aumento acentuado do consumo deste tipo de estupefaciente, na maior parte das cidades da Europa, poderá ter que ver com a pureza da droga e de estar mais disponível por ser mais consumida.

Um dos dados relevantes que surgiram na sequência desta investigação está relacionado com a altura da semana em que os portugueses mais consomem. Ao que a análise dos esgotos apurou, o consumo de ecstasy quase duplica entre sábado e segunda-feira, quer seja em Lisboa, no Porto ou em Almada.

Recomendadas

Premium“A organização de cuidados deve estar centrada no doente”

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) prepara-se para entrar numa nova era, com a criação de uma direção executiva. Na discussão inaugural do ciclo de conferências PROJETOR 2030, a saúde foi o tema forte.

Protestos de solidariedade com mulheres iranianas decorrem sábado em Lisboa e Coimbra

Os protestos decorrem depois da polémica morte de Mahsa Amini, uma jovem de 22 anos, por usar o hijab de forma incorreta.

PremiumNova dedução no IRS contribuiria para contrariar desigualdade de géneros

Mulheres ganham menos do que os homens e são também penalizadas fiscalmente uma vez os produtos a elas dirigidos tendem a ser mais caros. Dedução à coleta para contrariar esse cenário seria “o mais simples”, defende APIT.
Comentários