Consumo manipulado: carros gastam mais 42% do que as marcas dizem

As marcas de veículos anunciam que carros consomem pouco? De acordo com um estudo da Federação Europeia dos Transportes e Ambiente, o gasto de combustível é maior.

A diferença entre consumo real de combustível e aquele que é anunciado pelos fabricantes de automóveis é cada vez maior, segundo o mais recente estudo sobre o tema, com base em testes laboratoriais, feito pela Federação Europeia dos Transportes e Ambiente cm base em testes de laboratório.

“A média é de 42% a mais que o carro gasta na estrada, a mais do que o que gasta no laboratório. Algumas marcas, como a Mercedes, apresenta uma diferença nos estudos de mais de 50%. Ou seja, o carro gasta na estrada mais 50% do que é anunciado pelo fabricante”, alertou o presidente da Quercus à TSF.

João Branco apela ainda a que as autoridades europeias e portuguesas investiguem estes valores. A associação ambientalista, na qual está inserida a federação responsável pelo estudo, explicou à rádio que o Estado também perde, na medida em que as tributações estão dependentes do consumo de combustível e do desempenho ambiental.

A análise da federação defende que há indícios de que vários fabricantes de veículos manipulam as informações sobre eficiência e consumo do produto, o que terá um peso médio de 450 euros por ano na carteira dos condutores europeus, comparativamente ao anúncio que as marcas fazem.

Ao que o responsável explicou, essa diferença média está “a crescer de forma exponencialmente nos últimos anos”. Atualmente é de 42%, sendo que em 2012 registava-se 28%.

 

Recomendadas

TAP: Sindicato fala em adesão total à greve de tripulantes até às 08:30

“O balanço é prematuro, uma operação da TAP inicia-se por volta das 05:30 da manhã, o que sabemos até à data é que nenhum voo saiu sem ser serviços mínimos ou Portugália, portanto até agora a adesão é total”, disse à Lusa o presidente do SNPVAC, Ricardo Penarroias, no aeroporto de Lisboa, cuja operação, às primeiras horas da manhã, funcionava dentro da normalidade.

Ocean Winds vence leilão e vai desenvolver projeto eólico offshore flutuante até 2 GW na Califórnia

A Ocean Winds – um consórcio da EDP Renováveis e da francesa Engie – e o Canada Pension Plan Investment Board vão desenvolver um projeto eólico offshore ao largo da costa central da Califórnia, comunicou esta manhã a EDP à CMVM. Em causa está uma licença com direitos de gestão de 32,5 mil hectares naquela área.

EDP conclui venda da central hidroeléctrica de Mascarenhas no Brasil

Com esta transação, a EDP reduz o peso da geração convencional e, nomeadamente, da exposição hídrica no Brasil, em linha com o plano estratégico 2021-2025 apresentado ao mercado em fevereiro de 2021.
Comentários