Contos para miúdos na Biblioteca Pública da Madeira

A Hora do Conto regressa ao Arquivo Regional e Biblioteca Pública da Madeira com o objetivo de estimular hábitos de leitura entre a população mais jovem da Região Autónoma.

A biblioteca pública recebe a 15 dezembro uma sessão de leitura do livro ‘A cestinha cintilante’, de Sofia Henriques, que vai contar com a presença da autora.

O livro aborda a importância dos valores como por exemplo o respeito, a responsabilidade e a gratidão.

Para 22 de dezembro está programada mais uma sessão da hora do conto, com o livro ‘Festa de Natal’, de Tracey Corderoy e com ilustrações de Tim Warnes.

O livro retrata Rodrigo e a sua tentativa em tornar este o melhor natal de sempre.

A autora já escreveu os livros ‘O hotel Extravagância de Natal’, e ‘Um Nadinha Apertados’,

A 29 de dezembro está marcada mais uma sessão de leitura, com o livro ‘Adelaide’, que faz parte do ‘Plano Nacional de Leitura’, de Tomi Ungerer.

No livro Adelaide, um canguru, nasce com asas que vão servir para carregar os seus sonhos. A personagem do livro, de Tomi Ungerer, junta-se numa aventura com um piloto, e visita locais como índia, partis, graças à ajuda de um cavaleiro, chamado Maurício.

Nesta aventura o canguru passa por um circo, visita obras de arte, e devido às suas asas salva crianças de um incêndio.

Recomendadas

Comprar presentes de Natal a crédito é uma boa opção? Saiba aqui

É fácil comprar usando o cartão de crédito ou contratando um crédito. No caso do empréstimo pessoal, este crédito é chamado de fácil aprovação, mas não é barato.

Reputação!

Num mundo que todos dizem pretender agregar, ainda que alguns o façam pela lei da força, a Union Jack apostou no afastamento! Se o Reino Unido fosse submetido a uma página de feedback do Amazon ou do Aliexpress, receberia 1 estrela, por engano ao cliente e principalmente por mentira “in House”.

Funchal: PAN critica “tiques de absolutismo” de PSD e CDS-PP

O partido diz que o Orçamento Municipal do Funchal, que foi aprovado na Assembleia Municipal, permite concluir que estamos perante uma vereação “sem rasgo, sem ideias, conduzida por um presidente de Câmara, Pedro Calado, cuja capacidade de resolução de problemas já é considerada, por um número crescente e cada vez maior de habitantes do Funchal, como uma desilusão”.
Comentários