‘Coolcola’ ou ‘Starducks’. Rússia está copiar marcas ocidentais a um ritmo “preocupante”

Marcas como a Coca-Cola, Starbucks e McDonald’s estão a ser copiadas na Rússia depois de terem fechado portas no país.

Depois de muitas empresas terem decidido fechar portas da Rússia devido à invasão na Ucrânia, agora a Rússia tem imitado algumas marcas ocidentais.

A rede russa Magnit, um dos exemplos citados pela “HS”, tem versões próprias da fábrica de refrigerantes Otchakovo em Moscovo, como Coolcola, Fancy e Street, que imitam Coca-Cola, Fanta e Sprite.

Por sua vez, os cafés Starbucks cessaram atividade na Rússia, mas na península da Crimeia, podem ser comprados cafés no chamado Starducks. O logotipo do Starducks tem uma cor verde familiar, mas em vez de uma sereia ao centro tem um pato.

Também na península da Crimeia, os pratos de frango CFC, imitam a rede de fast food norte-americana KFC. O McDonald’s também foi copiado na Rússia. A nova rede, fundada por uma empresa russa, Uncle Vanja, também tem um logotipo semelhante.

Segundo Petri Vuorio, diretor da Confederação das Indústrias Finlandesas, existem “sinais de que as atitudes em relação aos direitos de autor estão a transformar-se numa doença”. “É preocupante para os proprietários das marcas ocidentais”, considera Vuorio.

“A violação dos direitos de propriedade intelectual não é encoberta, mas é feita abertamente”, garante Vuorio.

Na Ucrânia, o mesmo fenómeno foi observado nas regiões separatistas no passado. “Em Donetsk, dois ex-McDonald’s já foram convertidos em 2016 em DonMakes de propriedade local. Os menus e logotipos estão muito próximos dos modelos originais”, conta Vuorio.

Recomendadas

Avalanche em Itália mata pelo menos sete pessoas. Draghi culpa as alterações climáticas

A região tem registado temperaturas excecionalmente altas nos últimos dias. “O calor é incomum”, disse o porta-voz do serviço de resgate, Walter Milan, observando que os termómetros atingiram 10°C no pico da montanha nos últimos dias.

Ucrânia precisa de 750 mil milhões de dólares para plano de recuperação

“Hoje, as perdas diretas de infraestrutura da Ucrânia chegam a mais de cem mil milhões de dólares. Quem vai pagar pelo plano de renovação, que já está a ser avaliado em 750 mil milhões?”, questionou o primeiro-ministro do país, Denys Shmygal.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira, 4 de julho

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.
Comentários