Cop 25: cimeira do clima chega a acordo em Madrid

O acordo intitulado “Chile-Madrid, hora de agir”, foi alcançado quase dois dias após o dia marcado para encerrar a conferência COP25.

antonio_costa_pedro_sanchez_cop25_conferencia_ambiente
Chema Moya/EPA via Lusa

A cimeira do clima da Organização das Nações Unidas (ONU) já tem um documento final acerca da ambição climática em 2020 e cumprimento do acordo de paris que limita os países para impedir a subida da temperatura média do planeta este século acima de 1,5 graus.

O acordo, intitulado “Chile-Madrid, hora de agir”, foi alcançado quase dois dias após o dia marcado para encerrar a conferência COP25.

O documento foi aprovado pela presidente da COP25, a chilena Carolina Schmidt, após um tenso debate com o Brasil, que inicialmente não aceitou dois parágrafos incluídos no acordo sobre oceanos e uso da terra.

O acordo final da COP25 estabelece que os países terão de apresentar em 2020 compromissos mais ambiciosos para reduzir as emissões (as chamadas Contribuições Nacionais Determinadas) para enfrentar a emergência climática.

Segundo o acordo, o conhecimento científico será “o eixo principal” que deve orientar as decisões climáticas dos países para aumentar a sua ambição, que deve ser constantemente atualizada de acordo com os avanços da ciência.

O texto inclui “a imposição” de que a transição para um mundo sem emissões tem de ser justa e promover a criação de emprego.

O acordo também reconhece a ação climática de atores não-governamentais, a quem convida a aumentar e generalizar estratégias compatíveis com o clima.

Recomendadas

PR espera “evolução positiva” no sentido da paz e estabilização em São Tomé e Príncipe

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou hoje preocupação face à tentativa de golpe de Estado que aconteceu em São Tomé e Príncipe, mostrando-se esperançado numa “evolução positiva” no sentido da paz.

Chega recomenda ao Governo que reconheça a Rússia como Estado “patrocinador do terrorismo internacional”

O partido de Ventura defende que está na altura de Portugal tomar uma posição em relação a esta matéria.

PSD quer saber por que se mantêm na administração pública regras que vigoravam na pandemia

O PSD questionou hoje o Governo por que se mantém “a exigência de marcação prévia” para atendimento presencial em serviços da administração pública que só tinham justificação legal no período da pandemia, considerando injustificada a continuação destas regras.
Comentários