COP27: Conferência prolongada até sábado

A conferência das Nações Unidas sobre o clima (COP27), com as negociações paradas em questões como o financiamento para os países pobres, será prolongada até sábado, anunciou hoje o presidente egípcio do evento, Sameh Choukri.

“Estou determinado a terminar esta conferência amanhã”, sábado, disse hoje Sameh Choukri, apelando às partes para que “passem a uma velocidade superior” nas negociações, inicialmente previstas para terminar hoje.

“Continuo preocupado com o número de questões por resolver, nomeadamente sobre financiamento, mitigação, perdas e danos e suas ligações”, afirmou o responsável, que é também ministro dos Negócios Estrangeiros do Egito.

E acrescentou: “Apelo às partes para que trabalhem em conjunto para resolver estas questões remanescentes o mais rapidamente possível”.

Sobre um dos temas mais importantes da conferência, o financiamento das “perdas e danos” já sofridos pelos países pobres, a maior parte das vezes muito pouco responsáveis pelo aquecimento global, mas muito expostos aos seus impactos, parece ter havido uma evolução desde a noite de quinta-feira.

A União Europeia fez uma proposta, aceitando o princípio da criação de um “fundo de resposta a perdas e danos”, sujeito a condições e à reafirmação de objetivos fortes em matéria de redução das emissões e de limitação do aquecimento global.

Uma proposta de resolução sobre perdas e danos apresentada no final da quinta-feira pelos “facilitadores” do dossier também apresentou uma opção sobre a decisão de princípio sobre um fundo específico, uma exigência dos países em desenvolvimento.

A ministra paquistanesa para as Alterações Climáticas, Sherry Rehman, atual presidente do poderoso grupo de negociação G77+China, disse na sexta-feira que esta opção era aceitável, “com algumas mudanças”.

A conferência anual da ONU sobre o clima tem como objetivo aumentar as promessas dos quase 200 países participantes de reduzir a emissão de gases com efeito de estufa e limitar o aquecimento global, que provoca as alterações climáticas.

Este ano aumentaram as catástrofes relacionadas com as alterações climáticas, de secas a inundações, e perante esse cenário os países do Sul global, altamente expostos aos impactos climáticos, apelaram a um acordo na COP27 de criação de um fundo para cobrir “perdas e danos”.

Os países desenvolvidos, relutantes quanto a incluir essa matéria na agenda, insistiram num período adicional de discussão, antes de ser tomada uma decisão.

No final do dia de quinta-feira a União Europeia apresentou a proposta de se estabelecer esse fundo, mas insistiu que a COP27 devia em contrapartida assumir compromissos fortes em matéria de redução de emissões.

Na manhã de hoje, a presidência egípcia da conferência divulgou uma nova proposta de texto final da reunião, no qual se continua a reafirmar a determinação de impedir que a temperatura suba acima de 1,5ºC (graus celsius) em relação à época pré-industrial, uma meta estabelecida no Acordo de Paris sobre o clima, em 2015.

No entanto, os atuais compromissos de redução de gases com efeito de estufa de vários países estão longe de cumprir o objetivo e, de acordo com as análises da ONU, na melhor das hipóteses, limitarão o aquecimento a 2,4°C até ao final do século.

A COP27 começou no passado dia 06 e devia terminar hoje.

Recomendadas

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.

Pelo menos 238 mil pessoas morreram devido à poluição do ar em 2020, revela relatório

A poluição do ar provocou a morte de, pelo menos, 238 mil pessoas na União Europeia (UE), em 2020, mais do que no ano anterior, segundo um relatório da Agência Europeia do Ambiente (EEA, na sigla em inglês), hoje divulgado.
Comentários