COP27: ONG denuncia prisão de 419 pessoas em todo o Egito desde 6 de novembro

Pelo menos 419 pessoas foram detidas no Egito durante ações de protesto desde o início da Cimeira do Clima (COP27), em Sharm el Sheikh, a 6 de novembro.

Flickr

Pelo menos 419 pessoas foram detidas no Egito durante ações de protesto desde o início da Cimeira do Clima (COP27), em Sharm el Sheikh, a 6 de novembro, segundo fonte da Comissão Egípcia de Direitos e Liberdades.

Fonte desta ONG (Organização Não Governamental), que pediu para não ser identificada por questões de segurança, disse à agência espanhola EFE que durante a COP27, que terminou na madrugada deste domingo, as autoridades egípcias prenderam 419 pessoas, entre as quais dez mulheres.

A mesma fonte adiantou que as prisões começaram ainda antes da cimeira, no início de outubro, e desde então mais de 840 pessoas foram detidas em todo o país, principalmente na área metropolitana do Cairo, entre as quais um menor de 13 anos.

Apenas quatro dos detidos foram libertados até agora, enquanto 798 permanecem sob custódia policial ou prisão preventiva.

A ONG adianta que 38 pessoas foram vítimas de desaparecimentos forçados.

No dia 16 de novembro foi ordenada a prisão preventiva de 20 pessoas após terem sido acusados de “divulgar notícias falsas” e “incitar a violência” durante a COP27, acusações que o Egito costuma fazer contra dissidentes, ativistas e vozes críticas.

Há dois meses surgiram nas redes sociais várias convocações anónimas para manifestações durante a COP27, dado o crescente descontentamento da população egípcia com o Governo e a premente crise económica que o país atravessa, marcada pela inflação e pela desvalorização da moeda local, que desde março perdeu quase a metade do seu valor.

Em resposta a esses apelos, as forças de segurança egípcias pararam os transeuntes no Cairo e noutras cidades do país para pedir a sua documentação e revistar os seus pertences, incluindo telemóveis, em busca de qualquer conteúdo ou mensagem crítica ao Governo do Presidente Abdelfatah al Sisi.

A 27.ª Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas começou em 06 novembro e terminou hoje em Sharm-el-Sheik, no Egito, juntando mais de 35 mil participantes, nomeadamente vários líderes de países, com cerca de duas mil intervenções sobre mais de 300 tópicos.

Relacionadas

COP27: PM britânico elogia progressos mas defende que tem de ser feito mais

“Saúdo o progresso feito na COP27, mas não há tempo para complacências”, avisou este domingo o primeiro-ministro britânico.

COP27: ONU lamenta falta de plano para “reduzir drasticamente” emissões

Guterres avisou que a COP não deu a resposta necessária à redução das emissões poluentes. “Precisamos de reduzir drasticamente as emissões [de gases com efeito de estufa] agora – e essa é uma questão a que esta COP não respondeu”, disse.

COP27: UE desiludida com falta de ambição para reduzir emissões de gases com efeito de estufa

“O que temos aqui é um passo muito curto para os habitantes do planeta. Não proporciona esforços adicionais suficientes por parte dos principais emissores para aumentar e acelerar as suas reduções de emissões”, considerou Frans Timmermans.

COP27: Aprovado fundo para nações vítimas de condições climáticas extremas

Foi firmado um acordo que prevê a criação de um fundo para financiar danos climáticos sofridos por países “particularmente vulneráveis”. Em causa está um entendimento histórico.

COP27: Divergências sobre meios de financiamento marcaram cimeira

Foi aprovado um acordo que prevê a criação de um fundo para financiar danos climáticos sofridos por países “particularmente vulneráveis”, mas a cimeira ficou marcada por divergências sobre financiamento para combater as alterações climáticas.

Negociadores chegam a acordo sobre fundo climático na COP27

A revelação foi feita pelo ministro do Ambiente das Maldivas, este sábado, 19 de novembro Sharm El-Sheikh, Egito, no Egito. “Há um acordo sobre perdas e danos”, afirmou Aminath Shauna à Associated Press.
Recomendadas

União Europeia, G7 e Austrália limitam barril de petróleo russo a 60 dólares

Os 27 estados-membros da UE chegaram a acordo, esta sexta-feira, no estabelecimento de um teto máximo para o preço do petróleo russo nos 60 dólares por barril. Os sete países mais industrializados do mundo (G7) e a Austrália juntam-se na decisão.

Imigrantes do Bangladesh denunciam extorsão para obter vistos para Portugal

Um dos problemas para os bengalis está no facto de não existir representação diplomática portuguesa no seu país, o que os força a terem que recorrer à vizinha Índia. Entre Daca, capital do Bangladesh, e Nova Deli, capital da Índia, distam mais de 1.800 quilómetros.

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.
Comentários