COP27: ONG lamentam o “mau começo” da cimeira por não compensar países pobres

Várias organizações climáticas descreveram hoje o início da COP27 como “pobre”, dado que a agenda não incluiu a compensação e o financiamento da adaptação às alterações climáticas para os países mais vulneráveis, especialmente em África, por nações poluidoras.

A Climate Action Network, Greenpeace e Power Shift Africa denunciaram, numa conferência de imprensa, que, apesar da questão das perdas e danos relacionados com o aquecimento global ter sido incluída na agenda da COP27 (27ª Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas de 2022, a decorrer em Sharm el-Sheikh), não foi estabelecido qualquer mecanismo para o seu financiamento.

“Infelizmente, a única forma de resumir como vai a COP27 é com duas palavras: mau começo”, disse o diretor da organização não-governamental (ONG) Power Shift Africa, Mohamed Adow.

O queniano denunciou que, apesar desta conferência estar a ser realizada em África, cujos países se encontram entre aqueles que mais sofrem com as alterações climáticas, esta cimeira não proporcionou a oportunidade de “mobilizar o financiamento de que os países vulneráveis necessitam para poderem fazer face aos danos e perdas”.

Também acusou as principais economias mundiais, especialmente as europeias, de “intimidarem os países vulneráveis a aceitarem um prazo de dois anos para negociar” um acordo que não incluiria “compensação e responsabilização pelos poluidores históricos”.

“Não podemos permitir que a COP27 se torne uma farsa. Não podemos deixar que isso aconteça”, disse Adow, que também recordou que com a guerra na Ucrânia, os países que na cimeira de Glasgow do ano passado se comprometeram a pôr fim ao financiamento dos hidrocarbonetos, agora “querem transformar África na estação de gás da Europa”.

A diretora executiva da Climate Action Network International, Tasneem Essop, exortou os países ricos a reduzir as emissões “mais rapidamente” do que os países em desenvolvimento. Essop vai mais longe e afirma que a redução do aumento da temperatura para 1,5 graus celsius está a ser afetada pela “falta de compromisso, implementação e financiamento”.

Na mesma linha, o diretor de campanhas da Greenpeace MENA, Ahmad El Droubi, recordou que o compromisso de financiamento de 100 mil milhões de dólares (100,185 mil milhões de euros) para ajudar os países pobres a mitigar os problemas causados pelas alterações climáticas “não foi cumprido”, apesar de ter sido aprovado em 2009.

O diretor de campanhas da ONG questionou, ainda, a “qualidade” deste financiamento, uma vez que estimou que 17% será sob a forma de empréstimos, algo que “colocará as economias do Sul global em dívida”.

Recomendadas

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.

Pelo menos 238 mil pessoas morreram devido à poluição do ar em 2020, revela relatório

A poluição do ar provocou a morte de, pelo menos, 238 mil pessoas na União Europeia (UE), em 2020, mais do que no ano anterior, segundo um relatório da Agência Europeia do Ambiente (EEA, na sigla em inglês), hoje divulgado.

Negociadores chegam a acordo sobre fundo climático na COP27

A revelação foi feita pelo ministro do Ambiente das Maldivas, este sábado, 19 de novembro Sharm El-Sheikh, Egito, no Egito. “Há um acordo sobre perdas e danos”, afirmou Aminath Shauna à Associated Press.
Comentários