COP27: ONU pede financiamento para sistema de alerta precoce face a fenómenos extremos

A ONU pediu hoje a governos, instituições e empresas que financiem o Plano de Ação de Alerta Precoce para todos, uma rede para salvar vidas e reduzir perdas económicas devido a fenómenos climáticos extremos, tornando possível antecipá-los.

O plano, concebido pela Organização Meteorológica Mundial (OMM), requer um investimento de 3,1 mil milhões de dólares entre 2023 e 2027 e visa permitir que todas as pessoas no mundo possam antecipar-se e proteger-se de eventos extremos, como inundações e secas.

A iniciativa, já apoiada por cinquenta países, foi apresentada hoje pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, numa reunião com representantes governamentais, organizações das Nações Unidas, agências de financiamento, tecnológicas e setor privado, durante a conferência do clima (COP27), que começou no domingo em Sharm el-Sheikh, no Egito.

O investimento inicial para a criação desta rede é equivalente a 50 cêntimos de dólar por pessoa por ano, enquanto os benefícios que irá gerar face a um clima cada vez mais “extremo e perigoso” são “enormes”, disse António Guterres.

É por isso que, opinou, a resiliência às alterações climáticas deve incluir a possibilidade de aceder a informação para antecipar tempestades, ondas de calor, inundações e secas.

“O aumento constante das emissões de gases com efeito de estufa potencia fenómenos climáticos extremos em todo o mundo (…) custando vidas, centenas de milhares de milhões de dólares em perdas e danos, e deslocando três vezes mais pessoas do que as guerras. Metade da humanidade já está na zona de perigo”, advertiu.

De acordo com dados da ONU, nos últimos anos multiplicaram-se por cinco as catástrofes devido às alterações climáticas induzidas pelo Homem e ao aumento das condições meteorológicas extremas, uma tendência que se prevê que continue.

Contudo, metade dos países do mundo não tem sistemas de alerta precoce e de normas paras os ligar a planos de emergência, especialmente em países em desenvolvimento, mais vulneráveis às alterações climáticas.

“Os alertas precoces salvam vidas e proporcionam enormes benefícios económicos”, uma vez que apenas avisando com 24 horas de antecipação de um perigo iminente os danos podem ser reduzidos em 30%, segundo o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas.

Segundo dados da Comissão Mundial de Adaptação, a atribuição de 800 milhões de dólares a estes sistemas de alerta precoce nos países em desenvolvimento evitaria perdas de entre três e 16 mil milhões de dólares por ano.

Recomendadas

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.

Pelo menos 238 mil pessoas morreram devido à poluição do ar em 2020, revela relatório

A poluição do ar provocou a morte de, pelo menos, 238 mil pessoas na União Europeia (UE), em 2020, mais do que no ano anterior, segundo um relatório da Agência Europeia do Ambiente (EEA, na sigla em inglês), hoje divulgado.

Negociadores chegam a acordo sobre fundo climático na COP27

A revelação foi feita pelo ministro do Ambiente das Maldivas, este sábado, 19 de novembro Sharm El-Sheikh, Egito, no Egito. “Há um acordo sobre perdas e danos”, afirmou Aminath Shauna à Associated Press.
Comentários