COP27: Presidente moçambicano defende transição energética justa e recurso ao gás natural

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, defendeu esta segunda-feira uma “transição energética justa”, que permita que o país continue a usar o gás natural, a médio prazo, visando arrecadar receitas necessárias ao desenvolvimento e inclusão social.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, defendeu esta segunda-feira uma “transição energética justa”, que permita que o país continue a usar o gás natural, a médio prazo, visando arrecadar receitas necessárias ao desenvolvimento e inclusão social.

“Para nós, uma transição energética justa é um exercício de inclusão social”, por isso, “queremos continuar, a médio prazo, a usar os recursos naturais, como o gás natural, que é menos poluente”, enfatizou Nyusi.

Filipe Nyusi falava durante a 27.ª Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP27), que começou no domingo em Sharm el-Sheikh, no Egito.

O chefe de Estado moçambicano assinalou que os países pobres devem ter a oportunidade de usar os seus recursos energéticos de forma equilibrada, para o seu desenvolvimento social e económico, tal como aconteceu com os Estados desenvolvidos.

“É necessário que os países alinhem com o devido equilíbrio entre o desenvolvimento e a sustentabilidade ambiental”, frisou.

Filipe Nyusi advogou o aprofundamento das parcerias e cooperação no combate às mudanças climáticas, salientando a importância do financiamento à prevenção e mitigação dos impactos das alterações no ambiente.

Sublinhando a vulnerabilidade de Moçambique aos desastres naturais, Nyusi destacou que o país está empenhado em ações de prevenção e mitigação dos efeitos dos choques climáticos, através da instalação de mecanismos de aviso prévio e de estratégias de adaptação climática.

Filipe Nyusi pediu ainda à comunidade internacional e aos parceiros privados para a mobilização de meios e tecnologias destinados ao restauro e conservação do mangal e da rica biodiversidade do país.

Relacionadas

COP27: ONU pede financiamento para sistema de alerta precoce face a fenómenos extremos

A ONU pediu hoje a governos, instituições e empresas que financiem o Plano de Ação de Alerta Precoce para todos, uma rede para salvar vidas e reduzir perdas económicas devido a fenómenos climáticos extremos, tornando possível antecipá-los.

COP27: Guterres pede que conflitos não sejam desculpa para evitar responsabilidades

Por isso, defendeu ser “inaceitável, escandaloso e contraproducente” deixar a luta contra as alterações climáticas “em segundo plano”, até porque “muitos dos conflitos atuais estão relacionados com o crescente caos climático”.

COP27: ONG lamentam o “mau começo” da cimeira por não compensar países pobres

Várias organizações climáticas descreveram hoje o início da COP27 como “pobre”, dado que a agenda não incluiu a compensação e o financiamento da adaptação às alterações climáticas para os países mais vulneráveis, especialmente em África, por nações poluidoras.
Recomendadas

Energia. Novas ligações para hidrogénio elegíveis para fundos europeus, anuncia Von der Leyen

A presidente da Comissão Europeia disse hoje que as novas ligações para transporte de hidrogénio verde acordadas entre Portugal, Espanha e França são elegíveis para financiamento europeu.

Respostas Rápidas. Tudo o que precisa de saber sobre o Plano Geral de Drenagem de Lisboa

A autarquia chama-lhe “a obra invisível que prepara a cidade para o futuro”. Dois túneis vão atravessar Lisboa e escoar as águas até ao rio, mas não antes de 2025, confirma Carlos Moedas. Até lá, “paciência”, pede. A obra herculana já segue com atraso e custará até 250 milhões de euros. O Jornal Económico explica-lhe.

Blackrock com mais de 3% da EDP Renováveis

Segundo o comunicado da CMVM, a BlackRock, em resultado de transações executadas a 5 de dezembro de 2022, ultrapassou o patamar mínimo de 3% para posições acionistas qualificadas.
Comentários