Cordão humano em Belém apela à paz na Ucrânia

A iniciativa, que está a decorrer em Belém, é promovida pela Associação dos Ucranianos em Portugal. O cordão humano pela paz estende-se da estátua de Taras Schevchenko, um poeta ucraniano, que fica na praça de Itália junto à Ermida do Restelo, até ao Palácio de Belém.

Vítor Oliveira

Um cordão humano pela paz na Ucrânia está a decorrer, desde as 17 horas desta sábado entre o Restelo e o Palácio de Belém, em Lisboa. A organização apela à participação dos portugueses num gesto de solidariedade para com a situação dramática vivida pelos ucranianos.

A iniciativa é promovida pela Associação dos Ucranianos em Portugal e a organização espera contar com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

O cordão humano pela paz estende-se da estátua de Taras Schevchenko, um poeta ucraniano, que fica na praça de Itália junto à Ermida do Restelo, até ao Palácio de Belém.

Taras Schevchenko é um símbolo da resistência ucraniana e este cordão procura mostrar a solidariedade dos portugueses e da comunidade ucraniana residente em Portugal com a Ucrânia, neste momento trágico.

 

 

Recomendadas

Primeiro navio com cereais ucranianos chega à Turquia e espera comprador

O primeiro navio carregado de milho que deixou o porto ucraniano de Odessa, no Mar Negro, rumo ao Líbano, atracou no porto turco de Mersin e aguarda um comprador para a mercadoria, confirmou fonte diplomática da Ucrânia.

Ucrânia. Espanha testa saída de cereais ucranianos por comboio

Espanha avançou com um teste para retirar da Ucrânia cereais para exportação por comboio, em alternativa ou complemento à via marítima, condicionada pelo impacto da guerra nos portos ucranianos, anunciou hoje o executivo espanhol.

Ucrânia. Secretário da Defesa dos EUA promete mais armamento a Kyiv

O secretário da Defesa norte-americano, Lloyd Austin, declarou hoje que confia no envio de armamento à Ucrânia pelos Estados Unidos, NATO e restantes aliados “durante o tempo que seja necessário” para que o país defenda a sua soberania.
Comentários