Coreia do Norte promete reforçar capacidade nuclear

Segundo a agência de notícias oficial norte-coreana KCNA, Kim disse que o país “continuará a tomar medidas para reforçar e desenvolver as suas forças nucleares ao ritmo mais rápido possível”.

Wallace Woon / EPA via Lusa

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, prometeu aumentar a capacidade nuclear do país, durante um desfile militar na capital, Pyongyang, para marcar o 90.º aniversário das forças armadas da Coreia do Norte.

Segundo a agência de notícias oficial norte-coreana KCNA, Kim disse que o país “continuará a tomar medidas para reforçar e desenvolver as suas forças nucleares ao ritmo mais rápido possível”.

“Com vista a um contexto político e militar turbulento e a várias crises que estão por vir”, as armas nucleares são “um símbolo do poder nacional” e devem ser diversificadas, defendeu o líder norte-coreano.

Kim acrescentou que, embora as armas nucleares tenham sobretudo um papel dissuasor, podem ser utilizadas se os “interesses fundamentais” da Coreia do Norte forem ameaçados.

A KCNA não divulgou até ao momento imagens do desfile militar, mas disse que o míssil balístico intercontinental Hwasong-17 foi exibido, levando “os espetadores a soltarem altos gritos de alegria”.

A Coreia do Norte afirma ter lançado pela primeira vez o Hwasong-17 em março, um míssil apresentado em 2020 e que terá um alcance de 15 mil quilómetros.

Os desfiles militares na Coreia do Norte são uma forma recorrente de assinalar datas importantes para o regime de Pyongyang.

Participam normalmente nestas paradas milhares de soldados, seguidos por um desfile de tanques e outros equipamentos militares.

Os observadores internacionais seguem atentamente estes desfiles à procura de indícios de novo armamento desenvolvido pela Coreia do Norte.

Várias fontes governamentais anónimas disseram à agência noticiosa Yonhap, da Coreia do Sul, no fim de semana, que esperavam que fosse “o maior desfile militar de sempre”, envolvendo cerca de 20.000 soldados.

A Coreia do Norte já realizou mais de uma dúzia de testes de armas este ano, incluindo o disparo de um míssil balístico intercontinental.

Analistas norte-americanos e sul-coreanos advertiram que a Coreia do Norte poderia também retomar os testes nucleares, que não faz desde 2017, atendendo ao aumento da atividade detetada nos locais de testagem militar.

Recomendadas

Vladimir Putin teve cancro, diz realizador Oliver Stone

Vencedor de quatro Óscares da Academia, Oliver Stone entrevistou o presidente russo entre 2015 e 2017 e acredita que Putin tenha recuperado da doença. 

Ucrânia: EUA acabam com exceção que permitia à Rússia pagar dívida em dólares

Prevista no âmbito das drásticas sanções impostas a Moscovo devido à invasão da Ucrânia, a exceção acabará às 00:01 de quarta-feira (05:01 de Lisboa), dois dias antes do próximo prazo de pagamento da Rússia.

NATO: Suécia nega estar a fornecer ajuda financeira e militar aos curdos

“A cooperação no nordeste da Síria é realizada principalmente por meio das Nações Unidas e de organizações internacionais”, disse a ministra dos Negócios Estrangeiros sueca, Ann Linde, ao jornal “Aftonbladet”.
Comentários