Coreia do Sul em alerta após detetar grande mobilização de aeronaves norte-coreanas

O exército sul-coreano mobilizou hoje 80 aviões depois de identificar um grande destacamento de aeronaves da Coreia do Norte, que tem lançado mísseis para responder a manobras militares de Seul e Washington.

A prontidão militar surge, na sequência da deteção de cerca de 180 aviões militares mobilizados no espaço aéreo norte-coreano, disse o Ministério da Defesa da Coreia do Sul em comunicado.

“A Força Aérea da República da Coreia [nome oficial do Sul] mobilizou rapidamente os seus recursos (…), incluindo 80 unidades de F-35A”, explica-se na mesma nota, acrescentando que cerca de 240 aviões que participam nos exercícios conjuntos com os Estados Unidos foram ativados, em sintonia com uma “postura vigilante” face à possível ameaça.

Relacionadas

Washington e Seul alertam que uso de armas nucleares ditaria fim do regime Kim Jong-un

Entretanto, a Coreia do Norte disparou 80 tiros de artilharia na direção de “zona tampão” marítima em reação ao prolongamento de exercícios militares conjuntos da Coreia do Sul com os Estados Unidos.
Recomendadas

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.

Joe Biden assina lei que evita greve ferroviária antes do Natal nos EUA

O Presidente dos EUA, Joe Biden, assinou hoje uma lei que impede a greve ferroviária em véspera de Natal, mas que vai contra as exigências de alguns sindicatos, ao deixar os trabalhadores sem dias de baixa por doença remunerados.

UE aprova proposta de limite de 60 dólares por barril de petróleo russo

Os países da União Europeia (UE) concordaram com um limite de preço de 60 dólares por barril para o petróleo russo, no âmbito das sanções para evitar picos de preços de combustíveis e para prejudicar os interesses de Moscovo.
Comentários