Coreia do Sul e Japão anunciam novas sanções contra a Coreia do Norte

Depois das constantes violações às resoluções da ONU, novas sanções unilaterais serão “mais severas e mais completas” e forma a enviar “uma mensagem inequívoca”.

A Coreia do Sul e o Japão anunciaram esta sexta-feira que vão reforçar as sanções unilaterais contra a Coreia do Norte devido aos testes nucleares protagonizados por Pyongyang, limitando as exportações norte-americanas de carvão.

O anúncio das sanções surge dois dias depois do voto do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) para reforçar as sanções internacionais ao regime norte-coreano, aprovado por unanimidade pelos 15 países membros do Conselho.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, lembra que a Coreia do Norte realizou este ano dois ensaios nucleares, um em janeiro e o outro em setembro, e pelo menos 25 disparos de mísseis balísticos, desafiando as resoluções da ONU.

Face a isso, estas sanções “são as mais severas e as mais completas que o Conselho de Segurança já impôs” e enviam “uma mensagem inequívoca”, sublinha Ban Ki-moon.

O governo de Seul avança que vai colocar na lista negra dezenas de novos oficiais norte-coreanos, entre eles Choe Ryong Hae e Hwang Pyong So, próximos do líder Kim Jong Un, e proibir os negócios financeiros entre os dois países.

Já o Japão anunciou que também irá aumentar a sua lista de sanções unilaterais, incluindo a proibição dos navios de pararem nos portos da Coreia do Norte, afirma o secretário-chefe do gabinete japonês, Yoshihide Suga, acrescentando que vai renovar esforços para trazer para casa todos os japoneses sequestrados por Pyongyang. “Não podemos tolerar uma nova ameaça”, defende.

Recomendadas

Chefe do Estado-Maior são-tomense demite-se após ataque a quartel militar

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas de São Tomé e Príncipe pediu hoje a demissão, denunciando “atos de traição” e condenando os “factos horrorosos” que envolveram a morte de quatro detidos após um ataque ao quartel-general militar.

Orbán usou dados fornecidos na vacinação Covid pelos húngaros para impulsionar campanha eleitoral

“Usar os dados pessoais das pessoas recolhidos para que possam aceder a serviços públicos para bombardeá-los com mensagens de campanha política é uma traição de confiança e um abuso de poder”, disse Deborah Brown, da Human Rights Watch.

Projeto “Ponte nas ondas” integra Boas Práticas de Património Imaterial da UNESCO

O projeto luso-galaico “Ponte nas Ondas” foi hoje reconhecido pela UNESCO, em Rabat, Marrocos, passando a integrar o Registo de Boas Práticas de Salvaguarda de Património Cultural Imaterial daquela organização internacional, tornando-se na primeira candidatura portuguesa da lista.
Comentários