Coreia do Sul multa Qualcomm em 814 milhões de euros

O regulador afirma que a empresa se envolveu em práticas comerciais injustas no âmbito de licenciamento de patentes e de vendas de ‘chips’.

As autoridades da Coreia do Sul multaram a empresa norte-americana Qualcomm Inc. em 1,03 biliões de won (814,2 milhões de euros), a produtora de chips da Samsung e da LG, por alegadamente violar as leis da concorrência.

De acordo com notícia publicada pela agência Lusa e citada por outros meios de comunicação social, o regulador indicou hoje que a empresa envolveu-se em práticas comerciais injustas no âmbito de licenciamento de patentes e de vendas de ‘chips’, incluindo recusar deixar os fabricantes de ‘chips’ rivais licenciarem patentes essenciais para o fabrico dos mesmos.

Segundo a autoridade da concorrência sul-coreana, a Qualcomm alegadamente usou a sua posição dominante no mercado para forçar os fabricantes de dispositivos móveis a pagarem taxas de licença por uma série de patentes ao abrigo de termos que definiu unilateralmente e para coagir os fabricantes de telemóveis a assinarem contratos de licenciamento.

O valor da multa é o mais elevado jamais aplicado pelo regulador da concorrência da Coreia do Sul.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários