Corpo da cidadã portuguesa morta em Moçambique já pode ser trasladado

Secretário de Estado adianta que, se tudo correr como o previsto, o corpo da cidadã portuguesa vai ser transportado para Maputo na terça-feira e, entre quarta-feira e quinta-feira, será entregue à família em Portugal.

 O corpo da cidadã portuguesa morta em Moçambique já pode ser trasladado para Portugal, uma vez que as autoridades já concluíram a autópsia, disse este sábado à agência Lusa o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

“Recebemos o relatório da autópsia que permite libertar o corpo”, afirmou José Luís Carneiro, sublinhando que a cidadã portuguesa que trabalhava numa empresa portuguesa na jurisdição consular da Beira, centro de Moçambique, estava desaparecida desde a noite de 28 de dezembro.

O secretário de Estado adianta que, se tudo correr como o previsto, o corpo da cidadã portuguesa vai ser transportado para Maputo na terça-feira e, entre quarta-feira e quinta-feira, será entregue à família em Portugal.

Segundo José Luís Carneiro, a autópsia concluiu que a cidadã portuguesa foi morta por afogamento com prévio traumatismo craniano.

O secretário de Estado avançou que três cidadãos moçambicanos foram detidos por suspeitas de estarem envolvidos no sequestro e posterior assassínio desta portuguesa.

O governante disse ainda que as autoridades consulares portuguesas estão em contacto com a família e com a empresa onde trabalhava a portuguesa, que vai assumir as responsabilidades da sua trasladação, enquanto os serviços consulares vão ficar com toda a responsabilidade da emissão dos documentos necessários, nomeadamente isenção dos emolumentos consulares.

Uma nota divulgada hoje pela Presidência da República refere que Marcelo Rebelo de Sousa apresentou condolências à família da cidadã portuguesa assassinada em Moçambique.

De acordo com a nota, Marcelo Rebelo de Sousa falou hoje de manhã “com a família de Inês Botas, a cidadã portuguesa raptada e assassinada em Moçambique, onde trabalhava ao serviço da empresa Ferpinta”.

Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários