Corte de gás é mais uma “medida unilateral agressiva” da Rússia, diz Charles Michel

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, considerou hoje que a decisão do grupo Gazprom de cortar o fornecimento de gás à Polónia e Bulgária constitui mais uma “medida unilateral agressiva” da Rússia e prometeu solidariedade entre os 27.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, considerou hoje que a decisão do grupo Gazprom de cortar o fornecimento de gás à Polónia e Bulgária constitui mais uma “medida unilateral agressiva” da Rússia e prometeu solidariedade entre os 27.

“A decisão da Gazprom de cortar o fornecimento de gás a alguns Estados-membros da União Europeia (UE) é outra medida unilateral agressiva da Rússia”, escreveu Charles Michel na sua conta oficial na rede social Twitter.

Apontando que está em contacto com os primeiros-ministros polaco, Mateusz Morawiecki, e búlgaro, Kiril Petkov, o presidente do Conselho Europeu garante que os Estados-membros da UE manter-se-ão solidários enquanto não se libertarem totalmente da dependência da energia russa.

“Manter-nos-emos unidos e apoiar-nos-emos mutuamente ao mesmo tempo que eliminamos gradualmente as importações russas de energia”, escreveu.

Hoje de manhã, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, já garantira que a UE “está preparada” para o corte de gás russo, pois tem trabalhado “para assegurar entregas alternativas e os melhores níveis de armazenamento possíveis em toda a UE”, tendo os Estados-membros estabelecido planos de contingência.

“O anúncio pela Gazprom de que está a suspender unilateralmente a entrega de gás a clientes na Europa é mais uma tentativa da Rússia de utilizar o gás como instrumento de chantagem. Isto é injustificado e inaceitável e mostra mais uma vez a falta de fiabilidade da Rússia como fornecedor de gás, [mas] estamos preparados para este cenário”, reagiu Von der Leyen.

O grupo russo Gazprom anunciou hoje que suspendeu todas as suas entregas de gás à Bulgária e à Polónia, dois países membros do bloco europeu por não terem feito o pagamento em rublos.

Em comunicado, a Gazprom disse que notificou a empresa búlgara Bulgargaz e a empresa polaca PGNiG da “suspensão das entregas de gás a partir de 27 de abril e até que o pagamento seja feito em rublos”.

A petrolífera estatal russa Gazprom já tinha avançado com a suspensão do fornecimento de gás à Bulgária a partir de hoje, no mesmo dia em que o primeiro-ministro búlgaro tem previsto um encontro com o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, em Kiev.

A Bulgária juntou-se assim à Polónia, que também tinha anunciado que a Rússia iria interromper o fornecimento de gás a partir de hoje perante a recusa em fazer os pagamentos em rublos, como exige a administração da Gazprom, controlada por Moscovo.

Recomendadas

CEO da Microsoft destaca plataforma para ajudar a Ucrânia criada por português

Satya Nadella diz que o “Ukraine Live Aid”, para prestar apoio aos refugiados ucranianos, foi um dos trabalhos “significativos” e “muito necessários” que feitos com as Power Pages da Microsoft.

Ocidente deve ser mais brando com a Rússia e a Ucrânia deve ceder, defende Kissinger

Segundo o ex-secretário de Estado dos EUA, os líderes europeus não devem perder de vista o relacionamento de longo prazo com a Rússia, nem devem arriscar empurrá-la para uma aliança permanente com a China. O antigo campeão de xadrez Garry Kasparov disse que essa posição, para além de imoral, foi provada errada repetidamente.

Mais de 200 corpos encontrados em cave de Mariupol

Informação foi avançada por Petro Andryushchenko, conselheiro do presidente da câmara de Mariupol.
Comentários