PremiumCorte nas taxas de financiamento do BCE anula ganhos da banca

Os bancos portugueses têm beneficiado das condições oferecidas nas operações de refinanciamento do BCE, ajudando a compensar o custo que o sector tem de suportar por ter dinheiro “estacionado” no banco central. Mas isto vai mudar a partir do final de junho.

As operações de refinanciamento de prazo alargado direcionadas (TLTRO, na sigla em inglês) do Banco Central Europeu (BCE), a par do sistema de escalões nos juros dos depósitos, têm ajudado a compensar o impacto das taxas negativas que obrigam a banca a pagar para ter dinheiro alocado no banco central.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Bancos globalmente sistémicos com melhor performance dos resultados no primeiro trimestre

O Goldman Sachs fez uma análise aos resultados dos bancos no primeiro trimestre comparando, por um lado, os globalmente sistémicos dos outros e, por outro, os bancos da zona euro e de fora do euro. Em termos de rentabilidade o ROTE caiu 1,4 pp nos G-SIBs e subiu 0,5 pp nos outros bancos. Sendo nos G-SIBs em média de 7,7% e nos bancos não sistémicos, em média, de 10,3%.

Crédito Agrícola com lucros a caírem 51% para 37,5 milhões no primeiro trimestre

Esta redução de 50,7%, segundo o grupo, “é influenciada pelos resultados, não recorrentes, obtidos no 1º trimestre de 2021, relacionados com “ganhos líquidos com operações financeiras e com juros retroactivos, referentes a 2020, recebidos no âmbito do programa de financiamento do BCE – TLTRO III”. O ROE do Grupo CA fixou-se em 7,1% em março.

Ouro às toneladas e notas às paletes. Este é o cofre mais importante do país

Não é a caixa-forte do Tio Patinhas, mas não fica atrás. No Carregado, o Banco de Portugal guarda o ouro e o dinheiro do país: são 173 toneladas de ouro e mais de 130 milhões de notas de diferentes denominações. Fomos visitá-lo.
Comentários