Costa afirma que reação portuguesa ao crime na RCA é considerada exemplar

António Costa afirmou que esta caso “infeliz” não manchou a imagem dos militares e elementos das forças de segurança portugueses presentes em forças destacadas em várias partes do mundo.

Paulo Cunha/Lusa

O primeiro-ministro defendeu hoje que a resposta portuguesa perante indícios de crime na missão da República Centro Africana (RCA) é considerada “um exemplo” pelas Nações Unidas e União Europeia, e salientou o alto risco desta operação militar.

António Costa assumiu esta posição em declarações à agência Lusa, em Bangui, depois de ter visitado a missão portuguesa na RCA, país onde esteve acompanhado pelo ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, e pelo chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, almirante António Silva Ribeiro.

Atualmente estão empenhados na RCA 191 militares portugueses no âmbito da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA) e 45 meios. Também na RCA, mas no âmbito da missão de treino da União Europeia (EUTM-RCA), estão no terreno 26 militares.

Em 08 de novembro, a Polícia Judiciária executou 100 mandados de busca e fez 11 detenções, incluindo militares, um advogado, um agente da PSP e um guarda da GNR, na sequência de suspeitas de tráfico de diamantes, ouro e droga a partir da RCA. Dois dias depois, o juiz de instrução Carlos Alexandre decidiu aplicar a medida de coação mais gravosa – prisão preventiva – a dois dos 11 arguidos detidos.

Porém, António Costa afirmou que esta caso “infeliz” não manchou a imagem dos militares e elementos das forças de segurança portugueses presentes em forças destacadas em várias partes do mundo.

“Quer o primeiro-ministro da República Centro Africana [Henri-Marie Dondra], quer o chefe da missão da União Europeia, quer, ainda, na reunião que mantive com o responsável pela representação do pessoal da Organização das Nações Unidas (ONU), ninguém fez qualquer reparo à atuação das tropas portuguesas. Pelo contrário, são feitos os maiores elogios e o maior agradecimento pela forma extraordinária como os nossos elementos das Forças Armadas e das nossas forças de segurança desempenham o seu papel”, contrapôs.

O primeiro-ministro apontou depois que, “tendo sido detetado um caso crime, imediatamente as autoridades judiciais tomaram conta da ocorrência”.

“Houve uma informação imediata às Nações Unidas, o que, infelizmente, não tem acontecido com outros contingentes em relação a outros incidentes”, alegou também António Costa.

O primeiro-ministro sustentou mesmo que a atuação de Portugal “tem sido dada como um exemplo”.

“Um exemplo, obviamente, a partir de uma história infeliz, resultante da existência de indícios de uma prática criminal. Mas a resposta que o Estado e as autoridades deram tem sido considerada um exemplo de atuação a ter perante circunstâncias dessa natureza. Circunstâncias que ninguém pode desejar, mas que ocorreram e, por isso, têm de ser devidamente punidas e sancionadas”, completou.

Nas declarações à agência Lusa, António Costa também rejeitou as críticas à presença de tropas portuguesas na RCA. Críticas que, no plano político, são sobretudo feitas pelo PCP.

“Portugal faz parte das Nações Unidas e queremos ser parceiros ativos. Com um secretário-geral português [António Guterres], temos até uma obrigação acrescida de sermos parceiros ativos das Nações Unidas – sempre o fomos e seremos”, declarou.

António Costa observou a seguir que Portugal “é também membro ativo da União Europeia”.

“Por isso, participamos nas missões das Nações Unidas e da União Europeia na RCA. Neste momento, a operação na RCA é o maior contingente nacional no exterior”, frisou.

De acordo com o primeiro-ministro, sendo a RCA um país onde há vários grupos armados ativos, a missão é consequentemente difícil no plano da segurança.

“É uma missão de alto risco e, por isso, fiz questão de regressar aqui, estando com os nossos militares e forças de segurança nesta época natalícia. E quero assinalar que o Presidente da República [Marcelo Rebelo de Sousa] também já visitou as tropas na RCA”, acrescentou.

Relacionadas

Operação Miríade: Caso mostra “falta de condições” da República Centro Africana para controlar os “diamantes de conflito”, afirmam analistas

O governo da RCA – o único país do mundo sob embargo relacionado com “diamantes de conflito”, imposto em 2013 e “aligeirado” em 2015 – com o apoio da Rússia e outros estados-membros do PK, levou à assembleia-geral do CMD a proposta de expandir as “zonas verdes” de prospeção certificada no seu território, mas essa pretensão não foi aprovada.

Operação Míriade: Ministro mantém que fez o que “deveria ter feito” ao não informar PM e PR em 2020

Em resposta, o ministro da Defesa citou o estadista britânico Winston Churchill – “podia acompanhar a sua avaliação, mas nesse caso estaríamos ambos errados” – e salientou que, quando recebeu as primeiras denúncias sobre eventuais ilícitos criminais perpetrados por militares portugueses, não se justificava “de todo” informar “superiormente de desconfianças” dada a “configuração” do caso na altura.

“Matéria insuficiente”. Ministro da Defesa explica porque é que não avisou Costa e Marcelo de tráfico de diamantes nos comandos

“Nunca houve qualquer intenção de sonegar informação ao primeiro-ministro ou de desrespeitar o Presidente da República”, disse hoje João Gomes Cravinho no Parlamento.

Operação Miríade: Costa considera “obrigação” dar explicações ao Parlamento

“O Governo está sempre e em todas as circunstâncias disponível para dar os esclarecimentos que a Assembleia da República entenda pedir”, afirmou o primeiro-ministro, aludindo aos requerimentos para que o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, seja ouvido no Parlamento.
Missão do Exército na República Centro-Africana

Operação Miríade: Credibilidade das forças portuguesas na RCA é a “mais elevada”, diz Luís Carrilho

A “credibilidade” das forças portuguesas integradas na missão das Nações Unidas na República Centro-Africana (RCA) é a “mais elevada”, afirmou esta sexta-feira o diretor da Divisão de Polícia das Nações Unidas, Luís Carrilho, em declarações à Lusa.

Operação Miríade: Chefe do Estado Maior expressa “profunda tristeza” mas afirma que “Forças Armadas não são aquilo

O responsável relatou que teve conhecimento “destes indícios” em dezembro de 2019, que envolviam “dois militares, eventualmente dois militares”, que na altura “já não estavam na República Centro-Africana, e portanto as missões continuaram a decorrer com toda a tranquilidade”.

Operação Miríade: PM admite “não ter sido informado” sobre rede de tráfico envolvendo militares e civis

“Eu não informei porque não estava informado, portanto isso é um tema que será de ser tratado, mas num sítio próprio que é em território nacional”, revelou António Costa aos jornalistas, depois de um almoço com o vencedor das eleições na Alemanha e atual vice-chanceler Olaf Scholz.

Operação Miríade: Juiz decreta prisão preventiva para dois dos 11 arguidos

O juiz de instrução Carlos Alexandre decidiu aplicar a medida de coação mais gravosa – prisão preventiva – a dois dos 11 arguidos detidos no âmbito da Operação Miríade, divulgou hoje o Juízo de Instrução Criminal de Lisboa numa nota.

Operação Miríade: Pareceres jurídicos concluíram por não comunicação ao Presidente

O Presidente da República disse na terça-feira que não foi informado antes, pelo ministro da Defesa Nacional, do caso de militares alegadamente envolvidos no contrabando de diamantes, porque “pareceres jurídicos” assim concluíram, tratando-se de uma investigação judicial.

Respostas Rápidas: o que está em causa na operação que investiga tráfico de diamantes por comandos?

O interrogatório formal dos onze arguidos detidos no âmbito da ‘Operação Miríade’ começou esta terça-feira ao final da tarde.

Comandos traficaram 1,5 milhões em diamantes de sangue

O ouro e diamantes eram trazidos de África a bordo de aviões da Força Aérea Portuguesa. Depois, eram vendidos em Antuérpia, com o dinheiro a ser lavado através da compra de moedas virtuais, revela hoje o “JN”.
Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

“Há interessados em criar Zonas Livres Tecnológicas para criptomoedas”, diz secretário de Estado da Digitalização

Mário Campolargo, em entrevista ao Jornal Económico, explica os objetivos do Governo em renovar a Estratégia de Blockchain e Web3 e garante que há interesse por parte de vários ‘players’ em testar moedas virtuais nos espaços livres de constrangimentos regulatórios.

PAN defende aposta nos transportes públicos e revisão dos escalões de IRS

A porta-voz do PAN, Inês Sousa Real, defendeu, este domingo, na proposta de Orçamento do Estado para 2023 o Governo deve apostar nos transportes públicos e na revisão dos escalões de IRS, além da valorização da proteção animal. “É fundamental que no Orçamento do Estado se garanta uma maior aposta nos transportes públicos, a revisão […]
Comentários