Costa ao lado das grandes empresas

Fernando Medina fala com total autonomia sobre as matérias fiscais sem se ver da parte do primeiro-ministro qualquer tipo de correção.

São medidas despercebidas mas altamente eficazes. E são medidas eleitoralistas que acontecem uns meses depois de uma vitória com maioria absoluta. Falamos da possibilidade de as empreitadas poderem ser revistas até final do ano e que fez capa na edição do “Público”.

Mais concretamente, o Governo está a criar um regime excecional e temporário que visa contrariar o impacto da inflação e da subida dos preços dos materiais de construção civil. As construtoras vão poder fazer uma revisão extraordinária de preço desde que as matérias-primas e mão de obra subam 20% ou mais.

São medidas que têm sentido na lógica de António Costa se estar a preparar para Bruxelas e que, no final, são medidas que visam dar aos eventuais sucessores trunfos para uma eventual vitória sobre o PSD e a direita.

Esta medida, em concreto, põe as empresas ao lado do Governo, embora vá deixar o Estado com algumas dificuldades de tesouraria.

Há dois anos e meio que as grandes e médias construtoras se viam a braços com o aumento de preço dos fornecedores por força do aumento dos preços das matérias-primas. Com esta medida, o Governo vai colocar do seu lado os grandes empregadores que são as grandes construtoras e os fornecedores.

Falamos de milhares de postos de trabalho e de algumas dezenas de empresas poderosas que reclamavam de dificuldades para construir, nomeadamente obras que o Estado atribuiu em concorrência direta com empresas estrangeiras, sobretudo espanholas.

Costa dá-lhes a mão e coloca um dos seus potenciais sucessores, Pedro Nuno Santos, a liderar o processo. Ao mesmo tempo, está a dar protagonismo a Mariana Vieira da Silva noutras matérias que, como a gestão das verbas do PRR, que recentemente beneficiou Portugal com uma revisão em alta de fundos, com mais 1600 milhões de euros.

Outro dos jovens turcos, Ana Catarina Mendes, tomou a dianteira no caso da Câmara de Setúbal e, num outro plano, Fernando Medina fala com total autonomia sobre as matérias fiscais, sem se ver da parte do primeiro-ministro qualquer tipo de correção. Medina está todo-poderoso nas Finanças.

Costa distribui, assim, jogo pelos peões e passa dois, três dias em Bruxelas, como aconteceu recentemente no encerramento da Convenção sobre o Futuro da Europa. Um projeto que pretende repensar as matérias europeias e que demorou um ano a ser concluído, colocando vários países do lado de António Costa contra uma revisão mais profunda dos tratados europeus.

Macron acabou por ser o grande destaque desta conferência, mas, num segundo plano e num plano muito elevado, António Costa não conseguia esconder o entusiasmo por se movimentar na alta esfera europeia.

Recomendadas

Uma política equilibrada de maior estímulo às empresas. Porque não?

Os empresários reclamam que seja dada, no âmbito da política económica, uma maior prioridade ao segmento empresas. E, acrescento eu, os empresários também devem assumir o Estado “pôr dinheiro bom em cima de dinheiro mau”, em regra, só adia e atrapalha.

A Rússia de Putin e Lavrov

Foi a Rússia de Putin e Lavrov que atacou Kiev, quando o secretário-geral da ONU era recebido por Zelensky, querendo humilhar as Nações Unidas e mostrar que a Rússia está acima da lei, despreza a ONU e só se rege pela lei da força.

E-commerce: a necessidade de adaptação à nova era

O mercado de compra de bens e serviços online tornou-se uma prática comum a nível global, estimando-se que venha a registar mais de 4.200 mil milhões de dólares em vendas até 2025.
Comentários