Costa considera que horário de voto para isolados é “recomendação” equilibrada

O secretário-geral socialista falava aos jornalistas em Beja, depois de ter visitado a empresa agrícola de hidroponia Pax Berry, tendo reagido ao anúncio do Governo de que as pessoas que se encontrem em isolamento devido à covid-19 no dia 30 de janeiro poderão sair de casa para votar nas eleições legislativas, recomendando que se desloquem às urnas entre as 18:00 e as 19:00.

O secretário-geral do PS afirmou hoje que o Governo não pode impor um horário para as pessoas isoladas irem votar nas eleições legislativas, salientando que a solução encontrada é uma “recomendação” que considerou ser “equilibrada”.

“Não podemos sequer impor um horário onde as pessoas isoladas podem votar e um horário onde as pessoas isoladas não podem ir votar. O horário está fixado na lei, a lei não pode ser alterada, é uma lei da Assembleia da República e, portanto, todos os cidadãos têm o direito a votar à hora que entenderem. O que é que o Governo pode fazer? É recomendar”, afirmou António Costa.

O secretário-geral socialista falava aos jornalistas em Beja, depois de ter visitado a empresa agrícola de hidroponia Pax Berry, tendo reagido ao anúncio do Governo de que as pessoas que se encontrem em isolamento devido à covid-19 no dia 30 de janeiro poderão sair de casa para votar nas eleições legislativas, recomendando que se desloquem às urnas entre as 18:00 e as 19:00.

O também primeiro-ministro considerou que a solução encontrada é “equilibrada”, explicando que o parecer da Procuradoria Geral da República (PGR) indica que “há uma hierarquia de direitos e o direito de voto é um direito fundamental que, em circunstância alguma, ninguém pode ser privado”.

“E, portanto, é necessário garantir a todos que possam exercer esse direito. Como é que o devemos fazer de forma a que o exercício do direito de voto se faça em segurança para todos? É procurando que uns votem mais cedo, outros votem mais tarde”, frisou.

António Costa afirmou que “todas as pessoas têm o direito a votar, e a obrigação de isolamento não prejudica o direito a votar”.

“Isso significa que o Conselho de Ministros vai proceder à alteração da resolução na próxima quinta-feira, abrindo mais uma exceção para as pessoas que estão isoladas poderem sair para poderem exercer livremente o seu direito de voto”, anunciou o também primeiro-ministro.

Costa recorreu a uma expressão hoje veiculada pela ministra da Administração Interna, Francisca Van Dunem, para afirmar que está em causa um “pacto social” no dia das eleições.

“Quem não está isolado procura votar antes das 18:00, quem está isolado procura votar depois das 18:00, e assim garantimos que todos têm direito ao voto e podem votar em segurança, porque é tão importante garantir o direito de voto de quem está isolado como garantir que todos os outros que não estão isolados não deixam de exercer o seu direito de voto porque têm receio de serem contaminados”, disse.

Recomendadas

José Luís Carneiro, das comunidades portuguesas no estrangeiro à Administração Interna

José Luís Carneiro é o novo ministro da Administração Interna e regressa a um ministério no qual já desempenhou o cargo de assessor entre 1999 e 2000. O antigo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tem uma forte ligação ao poder local.

PS conquista dois mandatos do círculo da Europa e reforça maioria absoluta para 120 deputados

Depois de na primeira votação, a 30 de janeiro, PS e PSD terem conquistado um mandato cada um no círculo da Europa, na repetição da votação, o PS acabou por eleger o cabeça-de-lista pelo círculo, Paulo Pisco, mas também o segundo nome na lista, Nathalie de Oliveira.
eleições_legislativas_voto_urna_votar

Legislativas: Governo diz que votaram 152 emigrantes no fim de semana

Segundo o Governo “esse número representa um acréscimo de 31% face aos 116 cidadãos que exerceram o seu direito de voto presencial” a 30 de janeiro.
Comentários