Costa contraria ideia de empobrecimento e afirma que Portugal está a crescer mais do que Alemanha, França e Espanha

Dados de Costa surgem dias depois das previsões de Outono da Comissão Europeia, cujas mais recentes previsões indicam que em 2024 a Roménia ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da UE.

TIAGO PETINGA/LUSA

O secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, apresentou hoje uma série de dados para sustentar que Portugal, no conjunto dos últimos sete anos, está a crescer mais do que França, Espanha e Alemanha, convergindo com a média da União Europeia.

Esta posição, que contraria a ideia de “Portugal carro vassoura” preconizada pelo líder do PSD, Luís Montenegro, foi assumida por António Costa no encerramento da sessão evocativa de sete anos de governos socialistas por si liderados, que decorreu na Estação Fluvial do Terreiro do Paço, em Lisboa. Também surgem dias depois das previsões de Outono da Comissão Europeia, cujas mais recentes previsões indicam que 2024 ficará para a história como o ano em que a Roménia — outrora o mais pobre dos atuais 27 Estados-membros — ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da União Europeia (UE).

“Foram sete anos muito intensos, desde a ameaça de sanções contra Portugal, a necessidade de estabilização do sistema financeiro, sair do Procedimento por Défice Excessivo da União Europeia, enfrentar catástrofes naturais e uma pandemia, viver agora uma guerra e um ciclo de inflação como há 30 não se atravessava. Mas foram sete anos em que apresentámos resultados e deixámos marcas”, começou por sustentar o primeiro-ministro.

Em matéria de crescimento económico, António Costa defendeu a tese de que nos 15 anos anteriores a 2015 o país cresceu em média 0,2%, enquanto nos últimos sete “cresceu em média 2%, ou seja, dez vezes mais”.

Depois de assinalar que a taxa de desemprego baixou para menos de metade desde 2015 até ao presente, advogou que Portugal convergiu com a média da União Europeia em todos os anos dos seus governos, tirando o caso de 2020, quando o país teve o pico da pandemia da covid-19.

“Crescer acima da média significa aproximarmo-nos dos países mais desenvolvidos no quadro da União Europeia e, segundo a Comissão Europeia e as organizações internacionais, vamos continuar a crescer acima da média europeia em 2023 e em 2024. Quando crescemos acima da média europeia, nós aproximamo-nos mesmo dos países mais desenvolvidos, do pelotão da frente”, observou.

De acordo com os dados apresentados por António Costa relativos ao PIB per capita, desde 2015, a distância de Portugal relativamente a França diminuiu 2,6 pontos percentuais.

“Relativamente à Alemanha diminuiu 3,8 pontos percentuais e face à Espanha diminuiu mesmo 7,1 pontos percentuais. Sim, nós estamos a crescer mais do que a Alemanha, a França e Espanha – e é em relação a esses países que nos estamos a aproximar”, disse, no final de um dia em que PSD, Iniciativa Liberal e Chega criticaram o executivo socialista pela perspetiva de Portugal ser em breve ultrapassado pela Roménia.

Entre os sete temas abordados pelo líder socialista no seu longo discurso, a seguir ao do crescimento, colocou o das contas certas, salientando que Portugal está atualmente a pagar menos em juros da dívida e que as famílias pagam menos dois mil milhões em IRS relativamente às taxas aplicadas em 2015.

Como terceiro tema, António Costa escolheu os rendimentos e justiça social, realçando aqui que o salário mínimo cresceu 78% ao longo dos seus executivos e que as pensões subiram sempre acima da média legal de atualização.

Na quarta área, a das qualificações, o líder do PS destacou a redução abandono escolar precoce para menos de metade do em 2015, situando-se no presente abaixo dos 6%.

“Há mais alunos no Ensino Superior, registou-se um aumento das bolsas e batemos sucessivamente recordes na captação de investimento estrangeiro”, disse.

Na quinta área, a da saúde, o secretário-geral do PS advogou que a dotação do SNS totalizará 12, 29 mil milhões de euros 2023 – um aumento de 56% face a 2015.

“Há mais 23542 trabalhadores, dos quais mais 18% médicos (incluindo internos) e mais 9775 enfermeiros, o que representa um acréscimo de 25%. Até setembro de 2022, face a igual período de 2015, temos mais 3,2 milhões de consultas médicas nos cuidados de saúde primários, mais 644 mil consultas médicas nos cuidados de saúde hospitalares e mais 83 mil cirurgias”, defendeu.

Em matéria de alterações climáticas, a sexta área, António Costa referiu que a Comissão Europeia considera que Portugal é o Estado-membro que está em melhores condições de atingir a neutralidade carbónica em 2050.

Na sétima e última área, a da reforma do Estado, o primeiro-ministro realçou a questão da segurança, dizendo que os seus governos investiram “cinco vezes mais nas forças de segurança do que os governos de direita”.

“Na justiça, assiste-se a uma redução do número de processos pendentes”, declarou ainda, antes de procurar salientar os processos de descentralização e a “democratização” das comissões de coordenação.

Recomendadas

Governo confiante na execução plena do PRR, garante Mariana Vieira da Silva

A ministra da Presidência reconheceu a necessidade de agilizar processos, reforçando que essa é uma das linhas de ação do Governo no dia em que Portugal recebeu mais uma tranche de 1.800 milhões de euros do PRR vindos de Bruxelas.

Governador da Fed avisa que taxas de juro poderão continuar a subir

O governador da Reserva Federal norte-americana, Christopher Waller, disse esta quarta-feira que a inflação ainda não está contida e deu um sinal aos mercados: as taxa de juro vão continuar a subir, provavelmente acima das projeções dos analistas.

Preços do GPL engarrafado em janeiro entre 8% e 10% superiores à estimativa da ERSE

Os preços do GPL engarrafado anunciados pelos operadores em janeiro foram entre 8% e 10% superiores à estimativa da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), segundo o Relatório Mensal de Supervisão dos Preços do GPL engarrafado, hoje divulgado.
Comentários