Costa Cruzeiros vai testar a utilização de biocombustíveis

O Grupo Costa, principal operador europeu de cruzeiros com as suas duas empresas Costa Cruises e Aida Cruises, e membro da Carnival Corporation & plc, anunciou em comunicado que vai testar a utilização de biocombustíveis a bordo de um dos navios.

00002629

O Grupo Costa, principal operador europeu de cruzeiros com as suas duas empresas Costa Cruises e Aida Cruises, e membro da Carnival Corporation & plc, anunciou em comunicado que vai testar a utilização de biocombustíveis a bordo de um dos navios da Aida Cruises, o que considera ser “um passo importante na sua estratégia de descarbonização”.

Este anúncio ocorre pouco tempo após anunciar a criação de um departamento dedicado à descarbonização.

“No âmbito dos seus esforços de redução de emissões de CO2, a AIDAprima tornou-se o primeiro navio de cruzeiro de grande escala a ser abastecido com uma mistura de biocombustível marinho, produzido com matérias-primas 100% sustentáveis, como óleo de cozinha reciclado e óleo gás marinho (MGO) durante as escalas em Roterdão. O parceiro de cooperação é a GoodFuels, empresa holandesa pioneira em biocombustíveis, com a qual o Grupo Costa vai desenvolver uma parceria a longo prazo”, diz o grupo.

“O AIDAprima encontra-se atualmente a navegar, realizando viagens de sete dias para as cidades da Europa Ocidental e para a Noruega de/para Hamburgo”, revela a empresa.

O atual projeto representa um marco importante na estratégia de descarbonização do Grupo Costa, que inclui testes a tecnologias e processos para melhorar a eficiência da frota existente, conclui a empresa de cruzeiros.

Recomendadas

Grupo da transportadora aérea Sevenair aumenta receitas devido aos cursos de piloto

A Sevenair Academy viu o EBITDA fixar-se ligeiramente acima dos 2 milhões de euros no ano passado.

Sérgio Figueiredo contratado para consultor de Fernando Medina

O contrato estende-se por dois anos e Sérgio Figueiredo deverá receber um ordenado equiparado ao de um ministro.

SINTAC reúne com DGERT e ANA/VINCI para discutir serviços mínimos a assegurar agosto

Em causa estão ainda outras medidas defendidas pelo sindicato, desde o aumento de salários, para fazer face à inflação, até ao reforço dos recursos humanos.
Comentários