Costa defende não há união monetária sem capacidade orçamental comum

O primeiro-ministro considera que é necessário mais recursos financeiros para que esta união monetária possa funcionar e, por isso, os Estados devem contribuir mais e a União Europeia (UE) deve ter mais recursos próprios que a permitam financiar.

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu esta quinta-feira que não há verdadeira união monetária sem que haja uma capacidade orçamental comum. O primeiro-ministro considera que é necessário mais recursos financeiros para que esta união monetária possa funcionar e, por isso, os Estados devem contribuir mais e a União Europeia (UE) deve ter mais recursos próprios que a permitam financiar.

“O livro branco que Juncker apresentou é muito ambicioso e temos que avançar em todas essas dimensões. E para avançarmos em todas essas dimensões temos que avançar em bases sólidas”, afirmou o líder do Executivo, no debate “Que futuro para a Europa?”, no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), com o comissário europeu para os assuntos económicos e financeiros, Pierre Moscovici.

António Costa disse ainda que “é impossível dar um passo em frente sem resolver um problema ainda não resolvido”. Na Europa, segundo o governante, esses assuntos por resolver traduzem-se em completar a união económica e monetária e concluir a reforma da zona euro. “Tem havido avanços em alguns aspetos da união bancária e há um roteiro para os aspetos que ainda falta conseguir”, afirmou.

“Uma dessas questões é a de que não há nenhuma união monetária sem que haja uma capacidade orçamental comum, que precisa de ser construída. Significa que tem de haver recursos para essa capacidade e, por isso, ou os Estados aumentam as suas contribuições ou a UE passa a ter mais recursos próprios que a permitam financiar”, defendeu, considerando que “ambas são necessárias”.

O primeiro-ministro português considera que mais importante do que o mecanismo de estabilização, que “todas as uniões monetárias devem ter” é ter capacidade orçamental para reforçar a convergência e reduzir as assimetrias entre os estados. “O maior fator de estabilização é a redução das assimetrias e o maior fator de redução de risco para a estabilidade da moeda única é igualmente a redução das assimetrias”, salientou António Costa, lembrando as últimas décadas da história portuguesa.

“Não há um guião uniforme das reformas que cada país deve fazer. No caso português há algumas que são muito evidentes: reforçar a requalificação dos recursos humanos, reforçar a intensidade tecnológica das nossas empresas e reforçar os fatores de inovação da nossa economia. É aqui que temos que apostar”, concluiu António Costa.

Relacionadas

Costa: “A ideia de que sem Europa ficamos mais seguros e autónomos é um erro básico”

O primeiro-ministro defende que o sentimento de integração é cada vez maior e os portugueses se sentem cada vez menos “tuteladas” pela Europa e mais parte do projeto de interesse comum.
Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários