António Costa discursa na quinta-feira na Assembleia Geral das Nações Unidas

Será a sua terceira intervenção no debate geral anual entre chefes de Estado e de Governo dos 193 membros da ONU, em que participou em 2017 e em 2020 – nessa segunda vez não presencialmente, mas por videoconferência, devido à pandemia de covid-19.

O primeiro-ministro, António Costa, vai discursar na quinta-feira no debate geral da 77.ª sessão da Assembleia Geral das Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, onde estará a partir de segunda-feira.

Será a sua terceira intervenção no debate geral anual entre chefes de Estado e de Governo dos 193 membros da ONU, em que participou em 2017 e em 2020 – nessa segunda vez não presencialmente, mas por videoconferência, devido à pandemia de covid-19.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro terá um encontro com o secretário-geral da ONU, António Guterres, nas Nações Unidas.

O debate geral deste ano entre líderes mundiais será o primeiro desde que a Federação Russa invadiu a Ucrânia, em 24 de fevereiro, dando início a uma guerra que já leva quase sete meses.

Em Nova Iorque, entre segunda e quinta-feira, dia em que regressará a Lisboa, António Costa tem previstas reuniões bilaterais com os presidentes do Equador, Guillermo Lasso, da Argentina, Alberto Fernández, do Senegal, Macky Sall, e de Timor-Leste, José Ramos-Horta.

Deverá também reunir-se com o chefe de Governo de Andorra, Xavier Espot Zamora, e com o presidente da 77.ª sessão da Assembleia Geral da ONU, o húngaro Csaba Korosi.

À margem da Assembleia Geral da ONU, o primeiro-ministro tem ainda previstos encontros com o presidente de assuntos globais da Google e diretor jurídico da Alphabet, Kent Walker, e com funcionários portugueses das Nações Unidas e membros da comunidade portuguesa.

Nesta deslocação às Nações Unidas, António Costa estará acompanhado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, e pelo secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Francisco André.

Antes do debate geral, o primeiro-ministro irá participar na segunda-feira numa cimeira sobre Transformação da Educação, organizada pelo secretário-geral da ONU.

Na quarta-feira, estará numa reunião dos líderes do Painel de Alto Nível para uma Economia Oceânica Sustentável e na habitual receção oferecida pelo Presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, aos participantes na Assembleia Geral da ONU.

Portugal, que lançou em 2016 a candidatura vencedora de António Guterres a secretário-geral da ONU, entretanto reconduzido no cargo em 2021 e com mandato até ao fim de 2026, é candidato a um lugar de membro não-permanente no Conselho de Segurança da ONU no biénio 2027-2028 – processo que foi anunciado em 2013 pelo então ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, e para o qual no ano passado o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, pediu a confiança dos Estados-membros das Nações Unidas.

Os trabalhos da 77.ª sessão da Assembleia Geral da ONU, que tem como tema “Soluções por meio da solidariedade, sustentabilidade e ciência”, começaram na passada terça-feira. O debate geral entre chefes de Estado e de Governo terá início uma semana depois.

Nestes encontros anuais, tanto o primeiro-ministro como o Presidente da República têm reiterado a defesa do multilateralismo e das prioridades definidas pelo secretário-geral da ONU, o apoio à abolição universal da pena de morte e a uma reforma do Conselho de Segurança que inclua neste órgão um país africano, o Brasil e a Índia como membros permanentes.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários