Costa diz que está aberto a discussões com todos os partidos, menos o Chega (com áudio)

“Nunca recusei conversas com o Bloco de Esquerda (BE), só tive pena que no Orçamento o BE tenha interrompido as conversas”, disse António Costa à “Rádio Renascença”.

TIAGO PETINGA/LUSA

O secretário geral do PS, António Costa, admitiu que nunca fechou a porta ao Bloco de Esquerda e referiu ainda estar aberta a discussões com outros partidos, exceto o Chega, em entrevista à “Rádio Renascença”.

“Com certeza a seguir às eleições todos vamos ter de falar com todos. Nunca recusei conversas com o Bloco de Esquerda (BE), só tive pena que no Orçamento o BE tenha interrompido as conversas. Nunca tivemos nenhuma porta fechada ao Bloco. Só com o Chega é que não há grande conversa a manter”, disse António Costa.

O representante dos socialistas defendeu também que deve “ser o político português que nos últimos anos mais disponibilidade revelou para dialogar com todas as forças políticas”. “A geringonça não é a única solução, temos de estar abertos a outras. Respeitarei sempre a decisão dos portugueses”, assegurou.

A admissão de que tem a porta aberta para o diálogo sucede num momento em que nas sondagens o PSD já ultrapassou o PS.

Recomendadas

José Luís Carneiro, das comunidades portuguesas no estrangeiro à Administração Interna

José Luís Carneiro é o novo ministro da Administração Interna e regressa a um ministério no qual já desempenhou o cargo de assessor entre 1999 e 2000. O antigo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tem uma forte ligação ao poder local.

PS conquista dois mandatos do círculo da Europa e reforça maioria absoluta para 120 deputados

Depois de na primeira votação, a 30 de janeiro, PS e PSD terem conquistado um mandato cada um no círculo da Europa, na repetição da votação, o PS acabou por eleger o cabeça-de-lista pelo círculo, Paulo Pisco, mas também o segundo nome na lista, Nathalie de Oliveira.
eleições_legislativas_voto_urna_votar

Legislativas: Governo diz que votaram 152 emigrantes no fim de semana

Segundo o Governo “esse número representa um acréscimo de 31% face aos 116 cidadãos que exerceram o seu direito de voto presencial” a 30 de janeiro.
Comentários