António Costa espera que UE aprove reforma do mercado da eletricidade na próxima semana (com áudio)

“Está marcado um Conselho de Ministros da Energia da União Europeia para dia 09, em que esperamos que a União Europeia aprove finalmente um conjunto de medidas como aquelas que temos a vindo a defender, desde o início desta crise, designadamente a reforma do mercado da eletricidade”, afirmou.

O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje esperar que a União Europeia aprove, na próxima semana, a reforma do mercado da eletricidade, defendendo que só depois faz sentido o Governo definir medidas dirigidas às empresas.

“Está marcado um Conselho de Ministros da Energia da União Europeia para dia 09, em que esperamos que a União Europeia aprove finalmente um conjunto de medidas como aquelas que temos a vindo a defender, desde o início desta crise, designadamente a reforma do mercado da eletricidade”, afirmou.

O chefe do Governo falava em Maputo, na conferência de imprensa conjunta com o Presidente da República de Moçambique, com quem esteve reunido no âmbito da V Cimeira Luso-Moçambicana.

António Costa considerou que só depois dessa reunião “é que faz sentido definir um novo pacote dirigido especificamente para as empresas”.

“Porque faz sentido definir tendo em conta a decisão, espero que no bom sentido, dessa reunião no dia 09”, defendeu.

Apontando que já “foi possível obter uma decisão excecional para Portugal e Espanha, que tem permitido não contaminar o preço da eletricidade pelo aumento do preço do gás, o chamado mecanismo ibérico”, Costa salientou a necessidade de “uma reforma estrutural”.

“E é com grande agrado que já tenho ouvido a senhora presidente da Comissão [Europeia] nas últimas semanas a dizer que a comissão reconhece a necessidade de fazer uma reforma estrutural do mercado da eletricidade”, frisou.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários