Costa espera que vitória de Johnson permita resolver impasse do Brexit

“Não vejo razão para que não possamos estar tranquilos de que evitamos esse cenário catastrófico de que seria a saída desordenada do Reino Unido”, disse o primeiro-ministro português sobre os resultados eleitorais do Reino Unido, realçando a maioria na Câmara dos Comuns.

O primeiro-ministro, António Costa, considera que a vitória com maioria absoluta de Boris Johnson nas eleições britânicas irá permitir resolver o impasse do Brexit, já que permite ter “condições políticas” para uma saída ordenada do Reino Unido do projeto europeu.

“O problema até agora era o senhor Johnson não ter uma maioria na Câmara dos Comuns. Com os resultados de ontem [quinta-feira] é inequívoco que tem uma maioria na Câmara dos Comuns. Não vejo razão para que não possamos estar tranquilos de que evitamos esse cenário catastrófico de que seria a saída desordenada do Reino Unido”, disse António Costa, em conferência de imprensa, após o Conselho Europeu.

O chefe do Executivo português realçou que “o que tem dificultado mais uma solução, não têm sido as divergências entre União Europeia e o Reino Unido” e que “o problema foi sempre a falta de entendimento” entre os políticos britânicos.

“Esperemos que agora que o acordo de divórcio tem condições de ser aprovado. Que a parte verdadeiramente importante que é estabelecer a relação futura, a relação de poder paternal, que decorra agora de uma forma mais rápida, sobretudo menos contenciosa, com mais estabilidade porque essa é a fase verdadeiramente importante”, frisou.

“O Reino Unido é o nosso mais próximo vizinho, é o nosso principal aliado, o nosso maior parceiro económico e, portanto, temos que ter como sempre dissemos com o Reino Unido a relação mais próxima possível e é preciso avançar rapidamente na construção desta relação futura”, destacou.

Relacionadas

BlackRock e Credit Suisse vêem na eleição de Boris Johnson redução “significativa” de incertezas

O resultado eleitoral britânico determinou a continuidade do líder dos conservadores como primeiro-ministro britânico. Com a vitória reconhecida, Boris Johnson prometeu que o Brexit vai para a frente a 31 de janeiro, o prazo estabelecido pela União Europeia. “Vou pôr fim a este absurdo”, disse.

Moody’s sobre eleição de Boris Jonhson: “É improvável que a incerteza relacionada com o Brexit diminua”

Embora os analistas da Moody’s admitam que a vitória dos conservadores “signifique que provalvemente o Brexit ocorra rapidamente”, é igualmente salientado que “outros desafios” permaneçam, sobretudo os relacionados com “risco fiscal elevado e baixa produtividade, se não ocorrerrem “mudanças significativas nas políticas” do Reino Unido.

Ganhos de quase 3% do BCP impulsionam PSI 20 que acompanha Europa animada pela vitória de Johnson no Reino Unido

No PSI 20, 13 empresas valorizam, quatro desvalorizam e uma negoceia sem variação.
Recomendadas

“Noto em Portugal uma cultura relojoeira cada vez mais robusta”

Enquanto administrador do Grupo Tempus, distribuidor exclusivo para Portugal de marcas de referência, David Kolinski tem a certeza de que as insígnias representadas pela sua empresa continuarão a saber surpreender os seus clientes com lançamentos e coleções inesperadas.

Covid-19. França não descarta regresso da máscara e apela à vacinação

O ministro francês da Saúde, François Braun, garantiu este domingo não descartar o regresso da obrigatoriedade do uso de máscara, face ao aumento do número de infetados por Covid-19, e apelou à vacinação.

A hora é agora!

Apesar da crise que afeta a Europa e os EUA, verifica-se uma procura crescente pela relojoaria de luxo, com listas de espera para modelos de diversas marcas.
Comentários