Costa evidencia entrada de novos agentes para a PJ para combater corrupção

A Polícia Judiciária vai verificar no próximo ano a entrada em funções de novos inspetores. A estratégia foca-se no combate à corrupção.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O primeiro-ministro disse esta quinta-feira que a Estratégia Nacional contra a Corrupção tem permitido a existência de leis mais adequadas em relação à complexidade de crimes económico-financeiros.

No dia em que se assinala o Dia Internacional contra a Corrupção, António Costa evidenciou que a estratégia nacional “vai continuar a ser declinada em outros instrumentos legais, sobretudo na capacidade humana e tecnológica”.

Num discurso anterior, o diretor nacional da Polícia Judiciária avançou a contratação de 100 formandos que irão entrar em funções no próximo dia 4 de fevereiro. A dia 10 de janeiro, vão entrar ainda 100 candidatos a inspetores e ainda vai ser aberto um concurso para mais 70 vagas durante o presente ano.

O primeiro-ministro relembrou que este ano se assinala os 20 anos do conjunto de reformas no sector, sendo a mudança mais evidenciada por António Costa durante este período foi a lei a investigação criminal “que veio permitir especializar a PJ como polícia científica focada no combate à criminalidade especializada em crimes de corrupção ou associados à corrupção”, bem como os crimes económico-financeiros.

António Costa evidenciou ainda que a lei permitiu a redefinição de crimes de corrupção e tráfico de influências, sendo que “deixou de haver diferenças no tratamento entre crimes de corrupção marcado por cargos políticos e funcionários”.

Relacionadas

Francisca Van Dunem lamenta queda dos acordos de sentença na estratégia anticorrupção

Sublinhando que o combate à corrupção e à criminalidade económico-financeira enfrenta “um mundo com enormes poderes”, Francisca Van Dunem lembrou a sua experiência enquanto Procuradora-Geral Distrital de Lisboa face a um caso de prescrições falsas de exames complementares de diagnóstico para obtenção de verbas.

Condenações por corrupção duplicaram numa decáda

Entre 2011 e 2020 foram constituídos 1.168 arguidos por suspeitas de corrupção e, destes, 53% foram condenados, diz o “Jornal de Notícias”.

“Deve haver uma gestão eficaz dos canais de denúncia e prevenção da corrupção”, garante advogado Paulo de Sá e Cunha

O advogado Paulo de Sá e Cunha, sócio da Cuatrecasas Portugal, foi o convidado desta edição do “Falar Direito” programa de advocacia da plataforma multimédia JE TV. Os desafios da reforma judicial em Portugal, a formação jurídica e o novo projeto da Cuatrecasas Portugal foram os temas em análise.
Recomendadas

Associação Zero dá parecer negativo a mais voos noturnos em Lisboa

No início de agosto foi anunciado pelo Governo a intenção de aprovar uma portaria que permita anular temporariamente a parte da lei que estabelece restrições ao tráfego aéreo noturno entre as 0h e as 6h, que a Navegação Aérea (NAV) quer que seja entre o dia 18 e 29 de novembro, para implementar um novo sistema de controlo.

PS/Madeira acusa Governo Regional de estar “alheado da realidade”

O líder do PS/Madeira acusou este sábado o Governo Regional e os partidos que o compõem o executivo insular (PSD e CDS) de estarem “alheados da realidade” e dos problemas dos madeirenses porque estão “fechados nos gabinetes”.

Aquilo que foi feito na TAP “foi um crime político e financeiro”, refere Luís Montenegro

O presidente do PSD, Luís Montenegro, afirmou este sábado que o que foi feito na TAP “foi um crime político e financeiro”, considerando que a vontade do Governo de privatizar a companhia não pode passar incólume.
Comentários