Costa garante não ter visto a entrevista de Sócrates à CNN

“Não tive a oportunidade de ver”, afirmou o líder socialista aos jornalistas depois de ação de rua em Leiria. Questionado sobre se o antigo primeiro-ministro era “tóxico”, respondeu: “Tóxico é não votarmos nas legislativas”.

Lusa

Em entrevista à CNN, o antigo primeiro-ministro José Sócrates afirmou que foi com ele, enquanto líder do Partido Socialista (PS), que os socialistas alcançaram, nas legislativas de 2005, a sua única maioria absoluta.

Depois, provocou António Costa: “Quem quer maioria absoluta talvez devesse começar por não desmerecer a única que o PS teve”.

Confrontado com esta declaração de José Sócrates, no final de uma ação de rua, em Leiria, o atual secretário-geral do PS e primeiro-ministro não quis comentar, limitando-se a dizer por três vezes: “Não tive a oportunidade de ver”.

Quando um jornalista perguntou a António Costa se José Sócrates é “um ativo tóxico”, o líder socialista respondeu: “Tóxico é não votarmos nas eleições legislativas”.

“O que é tóxico é não acreditarmos numa política de valorização do rendimento das famílias, seja por aumento de salários, ou por redução dos impostos”, acrescentou.

Recomendadas

José Luís Carneiro, das comunidades portuguesas no estrangeiro à Administração Interna

José Luís Carneiro é o novo ministro da Administração Interna e regressa a um ministério no qual já desempenhou o cargo de assessor entre 1999 e 2000. O antigo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tem uma forte ligação ao poder local.

PS conquista dois mandatos do círculo da Europa e reforça maioria absoluta para 120 deputados

Depois de na primeira votação, a 30 de janeiro, PS e PSD terem conquistado um mandato cada um no círculo da Europa, na repetição da votação, o PS acabou por eleger o cabeça-de-lista pelo círculo, Paulo Pisco, mas também o segundo nome na lista, Nathalie de Oliveira.
eleições_legislativas_voto_urna_votar

Legislativas: Governo diz que votaram 152 emigrantes no fim de semana

Segundo o Governo “esse número representa um acréscimo de 31% face aos 116 cidadãos que exerceram o seu direito de voto presencial” a 30 de janeiro.
Comentários