Costa: “Processos de descentralização implicam vontade mútua”

Segundo o primeiro-ministro o processo de descentralização “vai exigir diálogo contínuo e permanente”. Costa garantiu também que “os contactos com a Associação Nacional de Municipios têm corrido muitissimo bem”.

O primeiro-ministro, António Costa, falou no processo de descentralização esta tarde e referiu ser preciso existir “vontade mútua”.

“Os processos de descentralização implicam vontade mútua e um esforço grande de compreender os outros”, disse António Costa.

O governante recordou que “quando era presidente da câmara [de Lisboa]” fez a maior “operação de descentralização que houve alguma vez no país para as juntas de freguesia”. “Na altura calculamos quais eram os custos associados a cada uma das competências, mas obviamente foram custos que foram estimados”, lembrou Costa.

“O que foi necessário fazer nos anos a seguir? Nos anos a seguir foi necessário ir corrigindo e afinando”, sublinhou.

Para o primeiro-ministro o processo de descentralização “vai exigir diálogo contínuo e permanente”. “Os contactos com a Associação Nacional de Municipios têm corrido muitissimo bem. Tenho encontrado sempre, da parte, de todos um enorme empenho”, assegurou.

“Por exemplo, o presidente Ribau Esteves, presidente da câmara municipal de Aveiro e que é vice presidente da Associação Nacional de Municípios tem sido muito construtivo”, enalteceu.

Em matérias de descentralização Costa referiu ainda que “não é pelo facto de haver descentralização que de repente passa a haver dinheiro para fazer o que não houve dinheiro para fazer até agora”.

Recomendadas

Marcelo parte para São Paulo ainda sem “comunicação por escrito” de Bolsonaro

O chefe de Estado português afirmou hoje, antes de partir do Rio de Janeiro para São Paulo, que continua sem receber nenhuma “comunicação por escrito” do Presidente do Brasil a cancelar o almoço de segunda-feira em Brasília.

Futuros ‘vices’ defendem que país “precisa urgentemente” do PSD

Os futuros vice-presidentes do PSD Margarida Balseiro Lopes, Leitão Amaro e Paulo Cunha defenderam hoje que o país “precisa urgentemente do partido”, pelo que é necessário “fazer diferente” e abrir à sociedade civil.

PSD. Montenegro pede “apoio significativo” para as suas listas

O novo presidente do PSD, Luís Montenegro, pediu hoje “um apoio significativo” na votação de domingo para as listas aos órgãos nacionais que anunciou, considerando que tal será “um sinal para Portugal”.
Comentários