Costa realça que foi Jerónimo quem deu “o primeiro corajoso e decisivo passo” para a “Geringonça”

O primeiro-ministro e secretário-geral do PS, António Costa, expressou hoje “profunda estima” pelo secretário-geral cessante do PCP, Jerónimo de Sousa, e realçou que foi dele “o primeiro, corajoso e decisivo passo” para a chamada “Geringonça”.

TVI

“Antes da dimensão política, evoco a sua cordialidade e empatia e a profunda estima que me liga a Jerónimo de Sousa”, escreveu António Costa, na sua conta na rede social Twitter.

“Saúdo o militante e o dirigente do PCP. E recordo que foi ele que deu o primeiro, corajoso e decisivo passo que, em novembro de 2015, abriu as portas a uma nova relação na esquerda portuguesa”, acrescentou o primeiro-ministro e secretário-geral do PS.

António Costa referia-se à governação entre 2015 e 2021 com apoio parlamentar dos partidos à esquerda do PS, solução que ficou conhecida como “Geringonça”.

No sábado à noite, o PCP anunciou através de comunicado que Jerónimo de Sousa, “refletindo sobre a sua situação de saúde e as exigências correspondentes às responsabilidades que assume, colocou a questão da sua substituição nas funções que desempenha” como secretário-geral do PCP.

No próximo sábado, 12 de novembro, em reunião do Comité Central do PCP, “será feita a proposta de eleição de Paulo Raimundo para secretário-geral do PCP”, lê-se no mesmo comunicado.

Recomendadas

Marcelo teve de vencer preconceito do “político-celebridade” para usar popularidade como trunfo

Esta é uma das conclusões do livro “O Presidente celebridade”, da autoria da jornalista da RTP Sandra Sá Couto, que foi também a sua tese de doutoramento em informação e comunicação em plataformas digitais, que será apresentado publicamente no início de dezembro.

“É lamentável entrar agora num processo de revisão constitucional”, realça constitucionalista Jorge Miranda

Em entrevista ao Jornal de Notícias e TSF, Jorge Miranda enumerou uma série de problemas que o país enfrenta e considerou que o processo de revisão constitucional está longe de ser prioritário. Além disso, o constitucionalista alerta para as alterações propostas pelo Chega, partido que desencadeou esta revisão.

“Orçamento da Saúde para o próximo ano poderá não ser suficiente”, alerta Correia de Campos

O antigo presidente do Conselho Económico e Social destaca o aumento de 2,7% do orçamento para a Saúde para 2023 mas adverte que o mesmo não vai ser suficiente tendo em conta que não acompanha “nem a inflação, nem a manutenção do equipamento, nem o reforço salarial necessário”
Comentários