Costa visita hoje São Tomé e Príncipe com agenda dedicada à saúde e defesa

O primeiro-ministro visita hoje São Tomé e Príncipe, onde terá encontros institucionais com o seu homólogo e com o Presidente são-tomense e uma agenda sobretudo dedicada à cooperação nas áreas da saúde e da defesa.

O primeiro-ministro visita hoje São Tomé e Príncipe, onde terá encontros institucionais com o seu homólogo e com o Presidente são-tomense e uma agenda sobretudo dedicada à cooperação nas áreas da saúde e da defesa.

Nesta deslocação de 24 horas a São Tomé e Príncipe, António Costa estará acompanhado pelo ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, pelo chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, António Silva Ribeiro, e pelo secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Francisco André.

O líder do executivo português deverá chegar a São Tomé ao início da tarde, tendo logo a seguir encontros com o seu homólogo, Jorge Bom Jesus, e com o Presidente da República, Carlos Vila Nova.

Após os encontros institucionais, António Costa desloca-se ao navio-patrulha Zaire, da Marinha Portuguesa, que desde 2018 se encontra em missão em São Tomé e Príncipe, no âmbito de um acordo bilateral.

Em várias intervenções públicas, como aconteceu na última Assembleia Parlamentar da NATO, que se realizou em Lisboa, o primeiro-ministro tem alertado para a urgência de um reforço dos meios de defesa no Golfo da Guiné, visando combater a pirataria e preservar a segurança marítima.

Este navio-patrulha Zaire, operado por uma guarnição mista, atualmente com 23 militares portugueses e 13 são-tomenses, tem como principais missões contribuir para a formação da guarda costeira são-tomense, reforçar a vigilância e a fiscalização dos espaços marítimos neste país e a segurança na região do Golfo da Guiné.

Ao fim da tarde, António Costa visita o Hospital Central de São Tomé, que está integrado no projeto de cooperação Saúde para Todos, lançado em 1988 e que é considerado um dos mais importantes da cooperação portuguesa.

Segundo fonte diplomática nacional, este programa destina-se a reforçar a acessibilidade, a equidade e a eficácia na prestação de cuidados de saúde e funciona nos centros de saúde do país, assim como no Hospital Central de São Tomé e no Hospital do Príncipe.

No que respeita ao combate à covid-19, Portugal já doou 86 mil doses de vacinas em três lotes diferentes – um de 12 mil e dois de 37 mil -, acompanhadas do material necessário para a inoculação.

O último ponto do programa do primeiro-ministro em São Tomé será um jantar de Natal com militares portugueses, no Espaço Cacau, em que também estará presente o ministro da Defesa Nacional são-tomense.

Em termos de relações bilaterais, em 02 de outubro deste ano, o chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa, assistiu à posse de Carlos Vila Nova como Presidente da República Democrática de São Tomé e Príncipe.

Nessa ocasião, em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que convidara o novo Presidente são-tomense, Carlos Vila Nova, a visitar Portugal e anunciou que o primeiro-ministro, António Costa, visitaria São Tomé e Príncipe até ao final deste ano.

Nessa mesma deslocação, o Presidente da República também esteve no navio-patrulha Zaire, da Marinha Portuguesa.

Perante a guarnição mista do Zaire, com cerca de dois terços de militares portugueses e um terço de são-tomenses, o chefe de Estado deixou uma mensagem “de gratidão” e expressou “confiança numa missão que não para, não vai parar, vai continuar e é prestigiante para dois Estados irmãos”.

Recomendadas

Guterres manifestou a embaixador russo oposição a anexação de territórios

Antes, António Guterres alertou a Rússia que a anexação de territórios ucranianos “não terá valor jurídico e merece ser condenada”, frisando que “não pode ser conciliada com o quadro jurídico internacional”.

Brasil. Equipa assegurará “perfeita realização” das eleições em Portugal

Paulino Franco de Carvalho Neto, secretário de assuntos multilaterais políticos do ministério, designado como Itamaraty, disse em conferência de imprensa no consulado-geral do Brasil em Lisboa que o ministro Carlos França enviou uma equipa para acompanhar os serviços dos consulados em Portugal durante o ato eleitoral.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.
Comentários