PremiumCotadas cumprem pouco as recomendações sobre partes relacionadas

Relatório de Monitorização do Código de Governo das Sociedades revela que as recomendações sobre negócios com partes relacionadas e a autoavaliação da administração estão entre as menos seguidas. Das 47 empresas emitentes há 32 que adotaram o Código de Governance.

A maioria das cotadas portuguesas cumpre com o Código de Governo das Sociedades e 78% das determinações desse código foram adotadas pelas sociedades emitentes, sendo 84% no caso das empresas cotadas que integram o PSI-20. Estas são as principais conclusões do Relatório Anual de Monitorização do Código de Governo das Sociedades (CGS), apresentado esta quinta-feira.

Já entre as recomendações menos seguidas estão as relacionadas com os negócios com partes relacionadas e as que se referem a avaliação anual do desempenho do órgão de administração e das suas comissões (no capítulo “Avaliação de Desempenho, Remunerações e Nomeações”). O motivo do fraco acolhimento destas recomendações consiste no facto de se tratarem de temas que vão passar a estar na lei e como tal os emitentes optaram esperar pela aprovação legislativa, explicou Pedro Maia, presidente da Comissão de Acompanhamento e Monitorização (CAM), ao Jornal Económico.

As recomendações relativas aos negócios com partes relacionadas e às avaliação de desempenho, remunerações e nomeações vão passar a lei com a transposição da diretiva dos acionistas, cujo anteprojecto de diploma de transposição da diretiva foi elaborado pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, e foi objeto de consulta pública até novembro de 2018.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Governo quer prolongar Programa Regressar e aumentar o benefício do IRS Jovem

O Governo quer prolongar o regime fiscal associado ao programa Regressar e aumentar o benefício anual do IRS Jovem, segundo a proposta do acordo de rendimentos e competitividade que está a ser hoje discutida na Concertação Social.

Apoios às famílias: “Vamos até onde podemos ir”, diz Medina

O ministro das Finanças é ouvido esta quarta-feira pelos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças da Assembleia da República. Fernando Medina fala nesta comissão uma semana depois de ter sido apresentado o pacote de medidas de apoio às famílias e a menos de um mês do prazo de entrega da proposta de Orçamento do Estado para 2023 (OE2023).

Medina: “Estado não vai arrecadar mais do que aquilo que está a devolver”

O ministro das Finanças afasta um cenário de “brilharete orçamental” por via das receitas da inflação. Fernando Medina rejeita que bónus das pensões represente uma perda no futuro e pede “reflexão” sobre a fórmula de cálculo das mesmas que, diz, “não foi criada para períodos de inflação extraordinária”.
Comentários