Cotrim Figueiredo acusa PS e PSD de tomarem conta do aparelho do Estado

O líder do Iniciativa Liberal acusou o PS e o PSD de serem “dois partidos que se acham donos do sistema, que tomaram conta do aparelho do Estado e que acham que podem tomar estas decisões sozinhos”, referindo-se à discussão em torno do novo aeroporto.

Lusa

O líder da Iniciativa Liberal (IL) acusou hoje PS e PSD de tomarem conta do aparelho do Estado e questionou o porquê de Santarém ser opção para o novo aeroporto.

“Parece que os dois partidos do costume decidem os destinos do país entre quatro anos, entre quatro paredes, como se fossem donos do país. Não são. São donos apenas da responsabilidade do país estar no estado em que está”, acusou João Cotrim Figueiredo.

Neste sentido, acrescentou que “são dois partidos que se acham donos do sistema, que tomaram conta do aparelho do Estado e que acham que podem tomar estas decisões sozinhos” quando “são incompetentes tecnicamente”.

João Cotrim Figueiredo reagia assim aos jornalistas, hoje de manhã, em Viseu, após o anúncio do Governo, na sexta-feira, da criação de uma comissão técnica independente para estudar a localização do novo aeroporto.

“Nem souberam dizer quais são as opções de localização que esta comissão técnica independente irá analisar. Dizem apenas que Santarém será uma delas e eu pergunto exatamente porquê”, questionou.

No seu entender, há duas hipóteses, uma é que “Santarém está a mais de 75 quilómetros de Lisboa, ou pelo menos do aeroporto de Lisboa, e pode estar fora daquilo que é o exclusivo aeroportuário atribuído à ANA” e será um dos motivos.

“Ou é uma forma de retribuir o apoio generoso dos acionistas do grupo Barraqueiro ao PS. Eu gostava de saber qual dos dois motivos é que trouxe a opção Santarém, mais ou menos do nada, para a mesa”, afirmou.

Este responsável político assumiu que ”isto não é uma declaração de suspeições” e acrescentou que se “mais uma vez” se vai “formar uma comissão técnica independente para estudar e decidir uma localização que se faça depressa”.

Cotrim de Figueiredo disse esperar que esta comissão “seja efetivamente independente e que não dependa de interesses partidários, nem imobiliários nas zonas onde vão ser estudadas as localizações” porque “o país não pode esperar”, defendeu.

O líder da IL lembrou que “são 50 anos de atraso numa decisão do aeroporto” e agora, “são mais 15 meses da nova avaliação, são 15 dias só para aprovar a comissão técnica independente e foi mais de um mês entre a primeira e a segunda reunião”.

“Isto é um ritmo em que o PS e o PSD funcionam, portanto, o bipartidarismo em Portugal, é isto”, apontou, enquanto disse, “sem qualquer espécie de falsa modéstia” que “se a IL estivesse a tomar conta deste dossiê já estaria resolvido há muitos, muitos meses”.

Sem apontar um local específico para o novo aeroporto, já que “é um problema técnico”, limitou-se a defender que se o partido que lidera já tivesse “as conclusões técnicas desse trabalho, estaria resolvido há muito, muito tempo”.

João Cotrim Figueiredo disse que vai exigir que o trabalho da comissão “seja suficientemente completo para permitir que a decisão seja definitiva e rápida”, sem que voltem a locais já estudados, porque isso “seria perder tempo”.

“Recordo, esses estudos que estamos a falar, já custaram ao erário público, ao longo dos anos, mais de 70 milhões de euros. Não sei quanto é que este vai custar, sei é que vai custar mais 15 meses, custará, certamente, muito mais dinheiro, e Portugal continua sem uma decisão sobre a localização do aeroporto que servirá a área de Lisboa”, concluiu.

Recomendadas

Marcelo avisa que “é preciso manter a democracia viva e repensá-la constantemente”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu hoje que “é preciso manter a democracia viva e repensá-la constantemente” para evitar o aparecimento de respostas “fora do sistema e quase à margem”.

PR espera “evolução positiva” no sentido da paz e estabilização em São Tomé e Príncipe

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou hoje preocupação face à tentativa de golpe de Estado que aconteceu em São Tomé e Príncipe, mostrando-se esperançado numa “evolução positiva” no sentido da paz.

Chega recomenda ao Governo que reconheça a Rússia como Estado “patrocinador do terrorismo internacional”

O partido de Ventura defende que está na altura de Portugal tomar uma posição em relação a esta matéria.
Comentários