Cotrim Figueiredo diz que António Costa é hábil em agarrar-se ao poder

Presidente reeleito do Iniciativa Liberal diz que o Governo é “gordo e anafado” e “totalmente incapaz de assumir qualquer responsabilidade política”. Sobre António Costa sublinha que “é famoso pela sua habilidade em agarrar-se ao poder”

iniciativa_liberal_joão_cotrim_figueiredo_legislativas
Miguel A. Lopes/Lusa

O presidente da IL defendeu hoje ser preciso “convencer os portugueses” da necessidade de mudança e que o voto “mais útil” é nos liberais, dizendo ao primeiro-ministro que Portugal não precisa de “governantes que se agarrem ao poder”.

João Cotrim Figueiredo, reeleito para um novo mandato como presidente da Iniciativa Liberal (IL), encerrou hoje a VI Convenção Nacional quase exclusivamente focado nas eleições legislativas e em críticas cerradas ao Governo socialista liderado por António Costa.

Para o presidente da IL é fundamental “convencer os portugueses que é preciso mudar” e que “o voto mais útil” é na IL, considerando que a ideia de mudança é um passo que já começou a ser dado devido ao desgaste da atual governação do PS.

Trazendo José Sócrates e os seus ministros que assumiram pastas no executivo de António Costa para o discurso, o presidente liberal criticou um governo “gordo e anafado” e que “manteve más companhias” como PCP e BE.

Cotrim Figueiredo foi desfiando as críticas de um Governo “sem estratégia e sem qualquer vontade de reformar o país”, com uma “cegueira e teimosia ideológica” e no qual impera “o nepotismo, o amiguismo” porque, segundo o liberal, os socialistas “acham-se donos disto tudo”.

“Este é um Governo e um PS incompetente em tudo menos na propaganda e na manipulação”, condenou.

Mas foi na ideia de um “Governo totalmente incapaz de assumir qualquer responsabilidade política” que o presidente da IL se dirigiu diretamente ao primeiro-ministro, “famoso pela sua habilidade em se agarrar ao poder”.

“Portugal não precisa de governantes que se agarrem ao poder, precisa de governantes que devolvam esse poder às pessoas”, disse, num recado direto a António Costa.

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.

Costa espera privatização da TAP em 12 meses. Admite que Estado possa perder dinheiro

O primeiro-ministro disse hoje esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses, afirmando que “só se fosse irresponsável” é que garantiria que o Estado não irá perder dinheiro na transação, mas “espera que não”.
Comentários