Covid-19: Alemanha regista 852 óbitos nas últimas 24 horas

As autoridades sanitárias alemãs reportaram esta terça-feira 852 óbitos provocados pela Covid-19 nas últimas 24 horas, após vários dias em que foram comunicados valores de mortalidade mais baixos devido ao período do Natal.

Alemanha | Getty Images

De acordo com o Instituto Robert Koch (RKI) verificaram-se 12.892 novos contágios nas últimas 24 horas, um valor que ainda é considerado baixo porque se realizaram menos testes médicos nos últimos dias.

Na Alemanha, o número máximo de mortes em 24 horas registou-se na semana passada com 962 mortos, num período de 24 horas, e o valor mais elevado de contágios num dia ocorreu a 18 de dezembro: 33.777 casos de SARS CoV-2.

A incidência acumulada em sete dias por 100 mil habitantes situa-se nos 149,2 casos – o máximo foi na terça-feira da semana passada com 197,6 casos.

Destacam-se igualmente as grandes diferenças territoriais: enquanto no estado da Saxónia (leste) se regista uma incidência de 364,7, em Mecklenburgo-Antepomerânia (noroeste) o valor situa-se em 77,2.

Na cidade estado de Berlim a incidência é de 145,1 casos por cada 100 mil habitantes.

Desde o início da pandemia, o RKI contabilizou no país – o mais populoso da União Europeia, com 83 milhões de habitantes – um total de 1.644.726 infeções, das quais 1.277.900 pacientes conseguiram recuperar-se.

Na Alemanha morreram até ao momento 30.978 pessoas de Covid-19.

O fator de reprodução (R) que considera as infeções num intervalo de sete dias em relação aos sete dias anteriores situa-se, no conjunto da Alemanha em 0,74, o que significa que cada 100 infetados contagiam em média 74 pessoas.

O governo alemão admitiu na segunda-feira prolongar as restrições do setor público e administrativo que inicialmente deviam terminar no próximo dia 10 de janeiro.

Helge Braun, ministro da Chancelaria, referiu-se à possibilidade de um prolongamento da paragem dos serviços públicos e da imposição das medidas de distanciamento social tais como o limite de cinco pessoas em reuniões privadas.

Encontra-se ainda em análise a possibilidade do começo de aulas presidenciais, após umas férias escolares de três semanas e meia para evitar os contágios.

Habitualmente as férias escolares de Natal correspondem a duas semanas.

As medidas a aplicar no setor do ensino vão ser discutidas no próximo dia 05 de janeiro durante uma nova reunião entre a chanceler Angela Merkel e os líderes regionais, competentes para a aplicação das medidas em cada território.

Desde o passado dia 16 de dezembro estão encerrados os estabelecimentos comerciais não essenciais, excetuando locais de compra de alimentos e outros produtos de uso diário, lojas de óculos e de equipamentos ortopédicos, farmácias, bancos, correios, postos de abastecimento de combustíveis e, em alguns estados, livrarias.

Desde o princípio do mês de novembro estão suspensas atividades de divertimento noturno e encerrados os museus, salas de concertos, teatros e cinemas e os restaurantes e bares só estão autorizados a vender comida para levar para fora.

Recomendadas

Covid-19: China anula várias medidas de prevenção e sinaliza fim da estratégia ‘zero casos’ (com áudio)

O Conselho de Estado (Executivo) anunciou que quem testar positivo para o vírus pode, a partir de agora, cumprir isolamento em casa, em vez de ser enviado para instalações designadas, muitas vezes em condições degradantes.

Covid-19: Pandemia provocou mais 300 mil mortes na UE do que as oficiais, diz OCDE

“No final de outubro de 2022, mais de 1,1 milhões de mortes de covid-19 foram reportadas em todos os 27 países da UE, mas os dados sobre o excesso de mortalidade sugerem que se trata de uma subestimativa e que mais 300 mil pessoas morreram devido ao efeito direto ou indireto da pandemia”, refere o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comissão Europeia (CE).

Covid-19: Problemas de saúde mental aumentaram na Europa, sobretudo nos jovens

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.
Comentários