Covid-19: “Apenas 6% a 8% dos portugueses não quer vacinar-se”, afirma Francisco Ramos

O coordenador do Plano Nacional de Vacinação aponta estes números face a estudos realizados pelo Governo e assume que um dos objetivos é transmitir aos portugueses que o processo de vacinação é seguro.

São menos de 10% a percentagem de portugueses que não pretende ser vacinado contra a Covid-19. Os dados foram revelados pelo coordenador do Plano Nacional de Vacinação, Francisco Ramos, na “Rádio Renascença” e são baseados nos últimos inquéritos levados a cabo pelo Governo.

“Têm sido feitos regularmente inquéritos sobre isso e os últimos números que temos, eu diria que são francamente positivos. Apenas 6% a 8% dos portugueses, atrevo-me eu a dizer. Ou seja, é um número francamente positivo”, referiu.

O responsável assume também que um dos principais objetivos passa por transmitir uma mensagem de confiança à população sobre o processo de vacinação. “Aquilo que nos compete também é, em termos de comunicação, garantir aos portugueses que a vacina pode demorar um pouco mais, exatamente porque as autoridades estão a trabalhar para que a vacina seja segura”, afirmou.

Francisco Ramos defendeu que as medidas de restrições que estão atualmente em vigor só deverão ser aliviadas quando metade da população portuguesa estiver vacinada. “A perspetiva com que estamos a trabalhar, com todos os riscos de incerteza que temos neste momento, é conseguir atingir metade da população portuguesa vacinada no final da Primavera e a partir daí, sim, começarmos a considerar que teremos certamente condições para aliviar as medidas de contenção em que temos vivido”, realçou.

Recomendadas

Proposta do Chega para criar comissão de inquérito à gestão da pandemia será chumbada (com áudio)

Instrumentalização e banalização de comissões parlamentares de inquérito, esbanjamento de recursos, descredibilização de consensos e criação de ‘soundbite’ são as acusações dirigidas por PS, PAN e Livre ao Chega. Desde o início da legislatura, o partido já propôs cinco comissões parlamentares de inquérito, todas rejeitadas. O dia de hoje contribuirá para a tendência.

Pequim admite que Ómicron é menos virulenta e sugere fim de ‘zero covid’

A vice-primeira-ministra chinesa encarregue de supervisionar as políticas de prevenção epidémica reconheceu hoje que o país se encontra numa “situação nova” e que a virulência da covid-19 “está a enfraquecer”, sinalizando o fim da estratégia ‘zero casos’.

Covid-19: “Casa aberta” disponível para vacinação de pessoas acima dos 60 anos

As pessoas com 60 ou mais anos podem, a partir de hoje, tomar a dose de reforço da vacina contra a covid-19 e a vacina da gripe na modalidade de “casa aberta”.
Comentários