Covid-19. Casa Branca diz que vacinação para crianças menores de 5 anos pode começar dentro de semanas

Se receber aprovação a vacinação em crianças menores de cinco anos poderá começar já nas próximas semanas.

A Casa Branca apresentou os planos do governo federal para disponibilizar as primeiras vacinas Covid-19 para crianças com menos de cinco anos, segundo a “NPR”.

Num briefing feito a partir da Casa Branca Ashish Jha, o coordenador de resposta à Covid-19 da Casa Branca, disse que se a agência federal FDA autorizar vacinas para as crianças mais novas logo após uma reunião consultiva a 15 de junho, as remessas dos primeiros 10 milhões de doses poderiam começar a chegar aos consultórios médicos já no fim da semana seguinte.

“Esperamos que a vacinação comece a sério já a 21 de junho e queremos que realmente continue ao longo dessa semana”, admitiu Jha, acrescentando que todos os pais que desejam vacinar o seu bebé (6 meses ou mais), ou criança com menos de 5 anos provavelmente poderão fazê-lo dentro de semanas.

Além da FDA os conselheiros dos Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) também teriam que opinar. Em última análise, a diretora do CDC, Dra. Rochelle Walensky, teria que dar o aval antes que a vacinação pudesse começar.

De recordar que esta semana a Pfizer pediu autorização à FDA para uso da vacina contra Covid-19 em menores de 5 anos nos EUA. Os resultados preliminares do estudo da farmacêutica indicaram uma eficácia da vacina de 80,3% contra Covid-19 sintomática nesta faixa etária.

Por sua vez, no mês passado a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) tinha anunciado que tinha começado a avaliar a utilização da vacina da Moderna em crianças entre os seis meses e os cinco anos.

 

Recomendadas

Mario Draghi deixa cimeira da NATO para tentar resolver tensões no governo italiano

O primeiro-ministro italiano deixou a cimeira da NATO em Madrid para regressar a Roma e presidir quinta-feira a uma reunião do Conselho de Ministros em pleno clima de tensão política.

Canábis: estudo revela riscos de consumo recreativo

Causa sérios riscos de hospitalização por problemas físicos e mentais, pelo que “não é tão positivo e seguro como se possa pensar”, diz o autor do estudo, professor assistente e investigador na Universidade de Toronto.

CEO deixa empresa de 65 mil milhões para ir para a “praia e não fazer nada”

Formica, que está no Reino Unido há quase três décadas, disse em entrevista que a sua saída se deve a “motivos pessoais”, incluindo o desejo de estar mais perto dos pais já idosos. Planeia voltar para a Austrália, o seu país natal.
Comentários