Covid-19: Disney encerra parque em Xangai face a pior surto desde o início da pandemia

A Disney fechou hoje o parque temático em Xangai, numa altura em que as autoridades chinesas tentam controlar o maior surto de covid-19 registado na “capital” económica da China desde o início da pandemia.

Benoit Tessier/REUTERS

A Disney fechou hoje o parque temático em Xangai, numa altura em que as autoridades chinesas tentam controlar o maior surto de covid-19 registado na “capital” económica da China desde o início da pandemia.

No sul do país, a cidade de Shenzhen permitiu a abertura de lojas e escritórios, visando retomar a produção.

As cidades de Changchun e Jilin, no nordeste da China, iniciaram nova ronda de testes, em toda a cidade, após um aumento do número de infeções.

Jilin apertou as restrições contra a doença, ordenando aos dois milhões de residentes que fiquem em casa.

O número de casos registado na China é baixo, em comparação com outras partes do mundo, mas as autoridades chinesas adotam uma estratégia de “tolerância zero” à covid-19, aplicando medidas de confinamento e testes em massa, assim que um surto é detetado.

O Governo chinês registou 2.027 casos, nas últimas 24 horas, acima dos 1.737 do dia anterior. Isto incluiu 1.542 casos na província de Jilin, onde as cidades de Changchun e Jilin estão localizadas.

O governo de Xangai, a cidade mais populosa da China, com 24 milhões de pessoas, evitou o encerramento de empresas e instalações públicas em toda a cidade, mas apelou ao público para que fique em casa, se possível.

O serviço de autocarros para a cidade foi suspenso e os visitantes são obrigados a apresentar um teste negativo para o vírus.

A Disney disse que a Shanghai Disneyland, Disneytown e Wishing Star Park vão estar fechadas até novo aviso.

Xangai registou 24 casos nas últimas 24 horas, com as autoridades a suspenderem o acesso a duas áreas residenciais e a realizar testes em massa em dezenas de outras.

O governo de Shenzhen, centro financeiro e tecnológico adjacente a Hong Kong, anunciou que as empresas e os escritórios governamentais foram autorizados a reabrir hoje, enquanto as autoridades tomam medidas para tentar impedir o ressurgimento de casos.

A cidade de 17,5 milhões de habitantes fechou todos os negócios, exceto aqueles que fornecem alimentos e outras necessidades, na semana passada, e disse à população para ficar em casa.

A covid-19 causou mais de seis milhões de mortos em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A variante Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante no mundo desde que foi detetada pela primeira vez, em novembro, na África do Sul.

Recomendadas

Covid-19: Crise causada pela pandemia deixou 25 milhões de africanos sem energia

A pandemia da covid-19 e a crise económica que se seguiu puseram fim a dez anos de progresso em África, onde 600 milhões de pessoas vivem atualmente sem eletricidade, de acordo com o relatório “Africa Energy Outlook 2022” da AIE.

Portugal registou 114.410 novos casos de Covid-19 e 256 mortes na última semana

Entre 7 e 13 de junho, registou-se uma quebra no número de casos positivos por Covid-19 (43.534) e morreram menos 41 pessoas quando comparado com a semana anterior, revela a DGS.

Covid-19. Agência de saúde dos EUA autoriza vacina a menores de cinco anos

As vacinas das farmacêuticas Moderna e Pfizer vão poder ser administradas às crianças desta faixa etária a partir da próxima semana.
Comentários