Covid-19: França regista 8.822 novos casos e 175 mortos nas últimas 24 horas

A França registou 175 mortes e 8.822 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, segundo dados oficiais divulgados este domingo, aumentando para 62.746 o total de mortes e para 2.559.686 os casos confirmados desde o início da pandemia.

Gonzalo Fuentes/Reuters

De acordo com os dados divulgados hoje pelas autoridades de saúde francesas, relativamente aos internamentos, das 7.715 pessoas hospitalizadas nos últimos sete dias, 1.118 encontram-se nos cuidados intensivos.

Já a taxa de positividade dos testes realizados fixou-se hoje em 2,9%, tendo em conta o número de pessoas com teste PCR ou de antigénio positivo nos últimos sete dias.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.758.026 mortos resultantes de mais de 80,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Recomendadas

Sindicato dos Jornalistas da Guiné-Bissau afirma que novas licenças são “forma civilizada” de acabar com imprensa

O Governo guineense publicou, com data de 18 de outubro, um despacho conjunto dos ministros das Finanças, Ilídio Vieira Té, e da Comunicação Social, Fernando Mendonça, no qual fixa novos valores para aquisição de alvarás para atividades de radiodifusão, televisão, jornais e filmagens no país.

GP da China de Fórmula 1 de 2023 cancelado devido à covid-19

Numa nota publicada no sítio oficial na internet do campeonato, a Fórmula 1 anunciou que, “após um diálogo com o promotor [local] e as autoridades”, o GP da China de 2023 “não se realizará devido a dificuldades criadas pela situação da covid-19”.

Espanha avisa parceiros e Bruxelas de que cartas armadilhadas podem estar ligadas à Ucrânia

Numa carta enviada aos Estados-membros da União Europeia (UE) e a Bruxelas, Fernando Grande-Marlaska avisa que as seis cartas armadilhadas endereçadas ao primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, às embaixadas da Ucrânia e dos Estados Unidos, entre outras entidades, “podem estar relacionadas com a invasão da Ucrânia pela Rússia”.
Comentários