Covid-19: Peritos voltam a reunir-se no Infarmed dia 11 para avaliar pandemia

O ministro da Saúde anunciou hoje que vai decorrer no próximo dia 11 uma reunião de peritos no Infarmed para fazer um ponto de situação da covid-19, descartando a possibilidade de se realizarem reuniões permanentes.

“Vamos fazer na sexta-feira, dia 11 [deste mês], uma reunião de atualização no Infarmed porque foi isso que nos comprometemos”, disse Manuel Pizarro, acrescentando que até agora a realidade mostra que a decisão de interromper o estado de alerta (no dia 01 de outubro) foi acertada.

O governante falava aos jornalistas em Campo Maior (Portalegre), à margem da sessão de encerramento do XIV Encontro de Intervenção Precoce “Desenvolvimento Infantil: Um passo atrás do outro”.

Manuel Pizarro referiu também que a interrupção do estado de alerta no inicio de outubro “não significava” o fim da pandemia.

“É isso que vamos fazer no dia 11, é uma vez mais uma reunião com peritos que nos vão dar informação sobre a situação internacional e a situação nacional da pandemia e sobre os dados de monitorização que nós temos até agora”, explicou.

Segundo o ministro, esses dados baseiam-se “não tanto no número de pessoas com infeção, porque esse diagnóstico já não é feito de forma generalizada como era, mas sobretudo das pessoas que precisam de recorrer ao internamento ou precisam ou têm um desfecho menos positivo”.

O ministro da Saúde fez ainda questão de sublinhar que nesta altura “não há nenhum indicador” do ponto de vista epidemiológico ou do ponto de vista da gravidade da doença que justifique efetuar reuniões permanentemente.

Recomendadas

Sindicatos dos médicos e Ministério da Saúde voltam hoje às negociações (com áudio)

Sindicatos dos médicos e Ministério da Saúde voltam hoje a reunir-se para uma segunda ronda de negociações, depois do encontro realizado em 09 de novembro que deu início formal a este processo.

Compradores de dívidas processam SNS em centenas de milhões de euros

Empresa de factoring tem comprado créditos de fornecedores hospitalares e, por via judicial, exige não só o pagamento da dívida, como de juros de mora e de indemnizações. Só no último mês e meio deram entrada em Lisboa 32 ações, no valor de 27 milhões. ACSS já criou um grupo de estudo para analisar o caso. A notícia faz manchete na edição desta semana do semanário Novo.

“Orçamento da Saúde para o próximo ano poderá não ser suficiente”, alerta Correia de Campos

O antigo presidente do Conselho Económico e Social destaca o aumento de 2,7% do orçamento para a Saúde para 2023 mas adverte que o mesmo não vai ser suficiente tendo em conta que não acompanha “nem a inflação, nem a manutenção do equipamento, nem o reforço salarial necessário”
Comentários