Covid-19. Primeiras 650 mil novas vacinas já chegaram a Portugal

Portugal já recebeu cerca de 650 mil doses da vacina Comirnaty adaptada à variante Ómicron que será utilizada na campanha de vacinação contra a covid-19 que arranca na quarta-feira, anunciou hoje a Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed).

Na segunda-feira “foram entregues as primeiras doses – cerca de 150 mil – da vacina Comirnaty adaptada. Hoje chegaram cerca de 500 mil doses da mesma vacina”, avançou a mesma fonte à agência Lusa.

Segundo adiantou a entidade reguladora nacional, na sexta-feira chegarão as primeiras 110 mil doses da vacina Spikevax, da farmacêutica Moderna, também adaptada à variante Ómicron do coronavírus que provoca a covid-19.

Estas duas vacinas da Pfizer e Moderna receberam “luz verde” da Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês) em 01 de setembro e podem ser administradas em pessoas a partir dos 12 anos para reforço da imunização contra o SARS-CoV-2.

No dia seguinte, a Direção-Geral da Saúde (DGS) e o Infarmed anunciaram que estas novas vacinas, compostas pela estirpe original do vírus e pela variante Ómicron, serão utilizadas na campanha de vacinação que vai decorrer a partir de quarta-feira e até dezembro em simultâneo com a vacinação contra a gripe.

Na vacinação primária contra a covid-19 continuarão a ser utilizadas as vacinas originais que integram o plano nacional de vacinação que arrancou em 27 de dezembro de 2020.

A campanha de vacinação sazonal outono-inverno 2022-2023, que tem o objetivo de proteger os grupos mais vulneráveis, prevê vacinar cerca de três milhões de pessoas em cem dias, o que obriga a uma logística composta por 397 pontos de vacinação em todo o território continental.

Recomendadas

Número de pessoas com diabetes tipo 1 pode duplicar até 2040

Perante a falta de conhecimento sobre as causas da doença, os especialistas pedem um diagnóstico atempado e um maior acesso a bombas que automatizam a administração de insulina.

“Há um défice de anestesiologistas, as necessidades são cada vez maiores”

Em entrevista, a presidente da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia, eleita há poucos meses, alerta para o défice de especialistas no SNS, agravado pela multiplicação de áreas onde estes profissionais atuam e pela saída de anestesiologistas para o setor privado.

Violência contra profissionais de saúde aumenta e pode regressar aos níveis pré-pandemia

Só no primeiro semestre, foram reportados mais de 700 casos em Portugal. A grande maioria dos agredidos são enfermeiros e assistentes técnicos.
Comentários